Tag Archive | cópia

A cópia, a série e a ovelha negra

Golconda, 1953 by Rene Magritte

René Magritte. Golconda. 1953.

Trump X Magritte. The Surrealist Series by Butcher Billy (2016) Trump Travesty

Trump X Magritte. The Surrealist Series by Butcher Billy (2016) Trump Travesty.

Eu me contradigo? Pois muito bem, eu me contradigo. Sou amplo, contenho multidões (Walt Whitman).

Eu me duplico? Pois muito bem, eu me duplico. Sou amplo, contenho massas. A reflexividade não é pós-moderna. Mas tanta reflexividade, quem sabe? “Eu é um outro” (Arthur Rimbaud). Numa galeria de espelhos, eu sou vários outros iguais a mim. Um desfile de cópias como no Golconda de René Magritte. Mas ressalve-se: ainda existem ovelhas negras. O vídeo de Vladimir Cauchemar não as esquece.

Vladimir Cauchemar. Aulos. Direcção: Alice Kunisue. Ed Banger records. 2017.

O milagre da multiplicação dos manuscritos

xeroxSó um anúncio como este Brother Dominic, da Xerox, consegue interromper um trabalho que me traz absorto. Aprende-se que um bom desempenho pode ser uma maldição. Pedem mais, pedem o impossível. Pobre irmão Dominic! O que vale é que Deus criou, entretanto, a fotocopiadora, de preferência Xerox. Entre o irmão Dominic e a Xerox, não há lugar para Gutenberg, o ourives. O manuscrito, o mosteiro, a sobrecarga e a globalização, tudo boas escolhas. As intertextualidade, também.O anúncio retoma um clássico da Xerox dos anos setenta. Em boa hora. Seguem o anúncio actual e o primitivo.

Marca: Xerox. Título: Brother Dominic. Agência: Y&R (New York). Direcção: James Rouse. Estados Unidos, Janeiro 2017.

Marca: Xerox. Título: Monk. Agência: Harper & Steers. Estados Unidos, 1977.

A Cruz de Ferro

Brum do Canto. A Cruz de Ferro
Brum do Canto. A Cruz de Ferro

Em tempos de clouds e megabases, existem cópias de filmes que se perdem irreparavelmente. Há cerca de dois anos, a Câmara Municipal de Melgaço pretendeu projetar o filme A Cruz de Ferro (1968). Realizado por Jorge Brum do Canto, o filme foi rodado e estreado em Castro Laboreiro. A ideia era replicar a estreia: no mesmo local, com lençóis a servir de ecrã… Infelizmente, não se encontrou uma única cópia utilizável. Nem sequer na Cinemateca. O filme A Cruz de Ferro é mais um pássaro Dodo!

[Post scriptum: encontrou-se, entretanto, uma cópia em bom estado. Ver: https://www.youtube.com/watch?v=28HstNqSgb8].

O vídeo Film is Fragile, do British Film Institute, aborda, precisamente, a necessidade urgente de preservar as cópias dos filmes. O resultado condiz com a reputação da produtora The Mill.

Anunciante: British Film Institut. Título: Film is Fragile. Produção: The Mill. Reino Unido, Outubro de 2015.

O triunfo das salsichas

“Vê-se que a história é uma galeria de quadros com poucas obras originais e muitas cópias” (Alexis de Tocqueville, O Antigo Regime e a Revolução. 1856)

SalsichaAs salsichas, se não estão a caminho de Hollywood, vingam, pelo menos, em Cannes. Moles e flexíveis, de animais marinhos a fãs de raves, as salsichas têm mil rostos.
Deparar com anúncios publicitários parecidos é uma surpresa corrente. No anúncio, surrealista, da BestDay (Sausage, 2015), uma salsicha gigante encalhada na praia é resgatada por um grupo de pessoas. Algumas sequências lembram, porém, o anúncio português Whale (Optimus, 2004): https://tendimag.com/2012/01/03/a-tribo-da-baleia/.

Marca: BestDay.com. Título: Sausage. Agência: McCann Mexico. Direcção: Gonzalo Oliveró. México, Junho 2015.

Os anúncios La Saucisse (Orangina, 2000) e Rave Party (Vizzavi, início dos anos 2000) parecem sósias. Os anúncios publicitários adoptam, assim, a citação sem aspas. De qualquer modo, um anúncio (Rave Party) que convoca a voz e a música dos filmes de Jacques Tati aproxima-se de uma citação que frisa a originalidade eterna.

Marca: Orangina. Título: La Saucisse. Direcção: Alain Lambert. França, 2000.

Marca: Vizzavi. Título: Rave Party. Produção: Wanda. Direcção: Pierre Coffin. França, início dos anos 2000.

Ideias quase tuas

M.C. ESCHER, Drawing Hands, 1948

M.C. ESCHER, Drawing Hands, 1948

Gosto de ideias. De vadios e vadias. Não gosto que as atrelem a um poste de vaidade. Não me interessam as ideias de trazer ao peito. Engomadas. As ideias gostam de se amachucar. Não gosto de ideias sólidas. Prefiro vê-las esguias,  a fintar catálogos, formulários, protocolos, dicionários e citações. Gosto de ideias que dançam com o erro na corda bamba. Gosto de ideias que valem mais que o dono. Gosto das minhas ideias, sobretudo quando são quase tuas. Não gosto de ideias roubadas. Quem rouba ideias não as tem.

Este anúncio argentino estreia amanhã. Podes vê-lo hoje.

Marca: TEDxRíodelaPlata. Título: Ideas quasi tuyas. Agência: Ponce. Direção: Rosca. Argentina, Setembro 2014.