Tag Archive | contágio

Dança tónica

vitaminwater-drink-outside-the-lines-featuring-aaron-paul-large-1

A publicidade dança. Com criatividade. No anúncio Drink Outside the Lines, da Vitaminwater, o tapete rolante serve de pista. A dança é contagiosa e viciante. Pelo menos, desde as epidemias de dança e a dançomania de finais da Idade Média (ver Epidemia de dança/). A banda sonora do anúncio contém uma curiosidade: a canção, Feel it Still, pertence a uma banda chamada Portugal. The Man. Não são portugueses, mas norte-americanos; o nome tão pouco se inspira em Vasco da Gama, António Guterres ou Cristiano Ronaldo. Optaram por um nome de um país e proporcionou-se Portugal!

 

Marca: Vitaminwater. Título: Drink Outside the Lines. Agência: Ogilvy. Direcção: Traktor. 2017.

Montra de prodígios

Um anúncio como o do iPad2 é cada vez mais uma raridade: a maravilha é o produto (Ipad2; Learn; TBWA\Media Arts Lab; Glenn Martin; EUA, Setembro, 2011) . Nem mais, nem menos. Sobram, quando muito, uns dedos. Não faz apelo ao patrocínio de nenhum prodígio adicional (top model, desportista, artista, paisagem, ser do outro mundo). Pois, dedos como aqueles, não há! Tão ágeis, tão precisos, um sonho! Quem não quer umas mãos assim…

Brincadeira à parte, a maioria dos anúncios publicitários mergulha os produtos em molhos de sedução. O maravilhamento acontece por osmose ou contágio. Parece ser o caso da recente campanha holandesa do Mini Coupé. Esta campanha tem várias versões: Carnival; Love is in the air; e Hitchhiker (Anunciante: Bayerische Motoren Werke AG; Agência: BSUR, Amsterdam; Directores criativos: Paulo Martins, Karl Dunn; Holanda, Setembro de 2011). Confinemo-nos à primeira: ao automóvel não basta o exuberante sambódromo de Rio de Janeiro, o Mini exibe a sua agilidade irreverente por toda a cidade. Percorre um mundo maravilhoso como um prodígio entre prodígios.

Um último reparo: o anúncio do iPad2 apresenta uma textura clássica, quase geométrica, que parece destinada ao(s) cérebro(s), enquanto que o anúncio do Mini Coupé envereda pelo grotesco e parece apostar mais no(s) corpo(s).