Tag Archive | animal

Animalidade

30 Millions d’Amis. We are the chanpions. 2019

Não sou muito dado a causas, mas algumas comovem-me. É o caso do abandono de animais, resultado de um amor egoísta. Gostamos como e quando nos convém, eventualmente de animais dependentes e indefesos.

30 Millions d’Amis é uma fundação francesa criada em 1976. Os anúncios Une vie de chien e We are the champions retratam duas formas de amor aos animais: a altruísta e a egoísta, a inclusão e o abandono.

Anunciante: 30 Millions d’Amis. Título: Une vie de chien. Agência : Altmann + Pacreau. Direcção : Xavieer Giannoli. França, Junho 2018.
Anunciante: 30 Millions d’Amis. Título: We are the Champions. Agência: Altmann + Pacreau. Direcção: Megaforce. França, Junho 2019.

A doença do trabalho

Planet Of The Apes (1968).

O anúncio Sanctuary for Overworked Humans, da Mitsubishi, é um gracejo. Um francês medieval diria uma drôlerie. Algo entre a farsa e a paródia. Seres humanos vítimas do trabalho curam-se numa reserva. Assemelham-se a animais em cativeiro. Estes lugares de recuperação lembram a reserva no livro “Admirável mundo novo”, de Aldous Huxley, e as gaiolas para humanos no filme Planeta dos Macacos (1968). O anúncio é uma paródia de uma lista interminável de séries e filmes centrados nas aventuras e desventuras de animais. Por exemplo, Skippy (1967-1970). Paródia ou não, já deparei com seres humanos num estado parecido. E o carro? Faz parte. Restaura e liberta, impávido e sereno.  

Marca: Mitsubishi. Título: Overworked Humans. Agência: Golley Slater Cardiff. Direcção: Sami Abusamra. Reino Unido, Janeiro 2019.
Skippy the Bush Kangaroo 1968 – 1970 Opening and Closing Theme.

Amizade animal

DuckPor que motivo a amizade com um animal nos fica cravada na memória? Recordo dois cães, uma pega, um mandarim e duas gatas. Também me lembro de Skippy, o canguru, Rin Tin Tin, o cão, Lassie, a cadela, Flipper, o golfinho, e Kiki, a cacatua. Com uma paleta de expressões porventura limitada, o que é que os animais têm que nós não temos? Parar de crescer talvez ajude. É o que sugere este anúncio para uma revista da Walt Disney. Uma história simples, muito simples, bem compassada,em que o protagonista é um pato (Donald).

Marca: Aku Ankka magazine. Título: The Duck & the Boy. Agência: Bob the Robot. Direcção: Juho Konstig. Finlândia, Março 2016.

 

Atração fatal

A quem mais me atura.

Este anúncio da Toyota é, todo ele, delirante. Concebido e produzido primorosamente, assume-se absurdo e politicamente incorrecto. Uma ode ao grotesco. Animais deixam-se aprisionar e morrer, com um poema nos lábios, deslumbrados por uma carrinha Hilux, o transporte para o paraíso zoológico.
Carregar na imagem para aceder ao anúncio.

Toyota Hilux

Marca: Toyota Hilux. Título: The Benchmark. Rebuilt. Agência: Saatchi & Saatchi. Nova Zelândia.

O anúncio da Hilux lembra-me a canção Mad World (2001), de Gary Jules e Michael Andrews, um cover dos Tears for Fears (1982). A associação de ideias e de imagens encanta-me, especialmente quando resistem à explicação. Uma vez explicadas, o que ganham em razão, perdem em mistério. Prefiro acreditar que é carnaval no mundo dos neurónios.
Carregar na imagem para aceder ao vídeo musical.

Mad world

Gary Jules & Michael Andrews. Mad World. Dirigido por Michel Gondry. 2001.

Dissonâncias

land-rover-genuine-parts-crocodile-600-75576“Neste limbo de indefinição tudo é possível, em particular recompor e contrabandear realidades. Resultam, assim, procedimentos correntes a aproximação de entidades distantes (por exemplo, humanos com cabeças de animais) ou a deslocação de objectos de uma ordem de realidade para outra, proporcionando, deste modo, combinações ou cotejos insólitos” (Albertino Gonçalves, O Delírio da Disformidade. O corpo no imaginário grotesco.pdf).

As dissonâncias provocam riso ou medo. Às vezes, riso e medo. São aberrações. Para ilustrar o modo como a parte (uma peça não genuína) pode alterar o todo, a Land Rover recorre a uma campanha baseada em dissonâncias óbvias e breves: um leão a cantar de galo, um crocodilo a latir e uma águia a balir.

Marca: Land Rover. Título: Genuine Parts – Lion. Agência: Y&R Johannesburg. África do Sul, Junho 2015.

Marca: Land Rover. Título: Genuine Parts – Croc. Agência: Y&R Johannesburg. África do Sul, Junho 2015.

Marca: Land Rover. Título: Genuine Parts – Eagle. Agência: Y&R Johannesburg. África do Sul, Junho 2015.

Chuteiras bestiais

Tudo me lembra alguma coisa. Idade a mais, criatividade a menos. Sintonizo-me com a sociedade em que dizem que vivo. Nenhuma outra a sucede. É a última; e não avança. É tão “após”; e tão pouco “antes”! Pós-industrial, pós-colonial, pós-moderna, pós 11 de Setembro… Os milenaristas, os iluministas, os modernos e os marxistas erguiam a cabeça e viam a ponta do nariz. Entretanto, acabaram-se as grandes narrativas, a prevalência dos projectos e, até, a própria história. Somos a primeira sociedade orgulhosamente órfã do futuro! Consta que agarramos o presente… O presente não se agarra, vive-se. Faz-se. Para além da idade e da falta de criatividade, vivo nesta sociedade da repetição. Nestes moldes, recordar pode parecer  um desperdício. Quem não espera o futuro não tem por que se sentar no passado.


Marca: Adidas. Título: Instinct takes over. Internacional, Agosto 2014.

Vêm estes depautérios a propósito do último anúncio da Adidas: Instinct Takes Over. Em sequência acelerada e sincopada, o futebolista turco Mesut Özil é associado a diversos animais, cuja potência simbólica reverte para as chuteiras Predator. Pois, o anúncio lembra-me coisas antigas. Lembra-me as gravuras de quatro artistas, todos com um artigo no Tendências do Imaginário:

Giambattista della Porta (1535-1615): https://tendimag.com/2012/08/26/homens-e-bestas/
Ticiano Vecellio (c. 1485-1576): https://tendimag.com/2012/08/27/homens-e-bestas-2/
Peter Paul Rubens (1577-1640): https://tendimag.com/2012/08/29/homens-e-bestas-3/
Charles Le Brun (1619-1690): https://tendimag.com/2012/09/03/homens-e-bestas-4-charles-le-brun/.

Por estranho que pareça, recordar também pode ser uma forma de tomar balanço.

Amai-vos uns aos outros

Freeview

Este anúncio da Freeview lembra-me a gata. Os pássaros, os ratos, as lagartixas e as moscas morrem de amores. E trá-los para casa para a família os abençoar.
Uma gata muito livre e muito sábia, que costuma dar alguns conselhos enquanto se ajeita no colo:
– Não peças ao Estado: entras num labirinto e sais num pântano.
– Se o Estado te pede um trabalho, olhos de gato e pernas de rato. O negócio, só por milagre, não resulta em ruinoso investimento.
– Quando comunicas, sabe qual é o teu público. Se local, comunica para os locais; se nacional, para os nacionais, se estrangeiro, para os estrangeiros. À partida, nenhum destes públicos vale mais que o outro. Quando muito, pode ou não ser adequado aos teus propósitos.
– Quando estudas e comunicas o local, é, normalmente, o local quem paga. Quando estudas e comunicas o nacional, é, normalmente, o nacional quem paga. Quando estudas e comunicas o estrangeiro, quem é que paga? Nenhuma destas três fontes deve secar as outras. E qual é o retorno? Não repitas estas perguntas. Serás considerado populista ou “terrorista”. Há quem gaste o dinheiro do povo e não tenha que prestar contas.
– Evita ser um eunuco linguístico. Na tua terra, na tua cultura, com a tua gente, fala a tua língua. Repara no teu blogue: escrito em Português, é acedido por 21,7% de internautas provenientes de Portugal, 37,8%, do Brasil e 40,5% de países não lusófonos. Como seria se fosse escrito em inglês? Não sei como seria, mas não seria certamente o teu blogue. Se calhar, seria o blogue de um conde andeiro qualquer.
– Não existe uma hierarquização? É velha a tendência para inclinar a escada para o lado que convém. De preferência, com a ajuda do vento. Em Portugal, há muitos cataventos.
Já agora, termino com uma brincadeira, com uma farsa: um dia virá em que os nossos nomes serão convertidos para língua estrangeira; será mais fácil dar-nos ordens!
Palavras de uma gata mimada que não exporta pássaros, nem ratos, nem lagartixas, nem moscas. Nem sequer, pêlos.


Marca: Freeview. Título: Cat and Budgie Love. Agência: Leo Burnett. Direcção: Ne-O. UK, Fevereiro 2014.

Com uma pequena ajuda dos Beatles

Beatles_DrumsO Elvis Presley é um herói do rock e da publicidade. Mas os Beatles não ficam atrás. Fazem parte de inúmeros anúncios. Os anúncios seguintes são autênticos vídeos musicais. O primeiro, da BBC, com o título de uma música dos Beatles, I’m the Whalrus, é um mosaico de sequências que confrontam o humano e o animal. Trata-se de um anúncio antigo (2000) e raro. O segundo anúncio, Beatles Story, da Mtv games/Xbox, é mais recente (2009). Propõe uma animação do percurso dos Beatles, desde o underground até ao psicadélico.

BBC Curiosity. The WhalrusMarca: BBC Curiosity. Título: I’m the Whalrus. Agência: Leagas Delanay. UK, 2000.

Marca: Mtv games/Xbox. Título: Beatles Story. 2009

Dança quadrúpede

Three the ponyVer este pónei dançar é um assombro. Ouvir os Fleetwood Mac é um regalo.

Marca: Three. Título: Pony. Agência: Wieden + Kennedy. Direção: Dougal Wilson. Reino Unido, Março 2013.

Homens e Bestas 3. Rubens

Théorie de la Figure Humaine é a tradução francesa, editada em 1773 (ver frontispício na figura 1), do original em latim da autoria de Peter Paul Rubens (1577-1640). Parte do tratado associa os corpos e os temperamentos dos seres humanos aos animais. “O rosto do homem tem muito a ver com a cabeça do cavalo; esta semelhança é visível na cabeça de Júlio César, e na estampa I [figura 2], onde se pode comprovar como o rosto próximo do cavalo deve ser longo e oval, com nariz longo e recto, ossos bem marcados, rosto duro, tal como as faces, preservando porém alguma delicadeza e doçura (…). A estampa V [figura 5] evidencia como a cabeça de Hércules, e a dos atletas, ou dos homens mais vigorosos, remete para o leão, mas com tanta arte e suavidade que se nos torna difícil discerni-lo (…) Para cada homem existe sempre um qualquer animal com o qual mais se aparenta ” (pág. 10-11). Nem mais, nem menos!