Tag Archive | aceleração

Pressa

The Charge of the Lancers (1915), by Umberto Boccioni

The Charge of the Lancers (1915), by Umberto Boccioni.

A nossa sociedade não tem grandes narrativas, mas tem grandes nomes. Por exemplo, sociedade da slow food, da slow fashion e do slow thinking. E tem o reverso: sociedade do zapping, da velocidade e da aceleração. Tudo devidamente globalizado. Até o Oriente, dado à meditação e à paz do corpo, cede às virtudes da pressa.

Marca: K Bank. Título: Long. Agência: Ogilvy & Mather Thailand. Direcção: Thanonchai  Sornsriwichai. Tailândia, 2010.

Marca: Srisawad Transport Loan. Título: Truck. Agência de produção: Phenomena Bangkok. Direcção: Thanonchai  Sornsriwichai. Tailândia, 2011.

A aceleração da morte

Trail Cavalos.png

“Tarde, cerca da meia-noite, guiado pela juventude
Que comanda os enamorados, ia ver a minha amante.
Completamente só, além do Loire, e passando por um desvio
Aproximando-me de uma grande cruz numa encruzilhada,
Oiço, parecia-me, uma caça cheia de latidos
De cães que me seguiam, passo a passo, o rastro;
Vi perto de mim, sobre um grande cavalo negro,
Um homem que só tinha os ossos, ao vê-lo,
Estende-me uma mão para me montar na garupa.”

(Ronsard, Pierre de (1524-1585), Oeuvres complètes de Pierre Ronsart, Paris, P. Janet,1857-1867, pp. 134-135. Tradução minha, AG).

Anunciante: Rail Safety. Título: Horsepower. Agência: Marketforce Perth. Austrália, Agosto 2011.

O anúncio Horsepower, da Rail Safety, é um concentrado de símbolos e emoções. O galope é avassalador e imparável. Galopam os cavalos e galopa o anúncio. Galopam, ainda, o coração e a imaginação. O esquartejamento e barba sugerem as trevas medievais. As correntes metálicas e a carroçaria do comboio são frias e mortíferas. Os mitos associam os cavalos à morte, nomeadamente quando são negros como o cavalo que guia a manada. O final, em plena velocidade, sobressalta o espectador: um arrepio de quem sente passar a morte! Ameaçado entre potências, o ser humano descobre-se frágil, tão frágil como o viajante de Pierre Ronsart.

“Os cavalos da morte são, na maioria, negros, como Charos, Deus da morte dos Gregos modernos. Negros são também, na maioria das vezes, os corcéis da morte, cuja cavalgada infernal perseguiu durante muito tempo os viajantes perdidos, na França assim como em toda a cristandade (Chevalier, Jean & Gheerbrant, Alain, Dictionnaire des Symboles, Paris, Ed. Robert Laffont, 1969, p. 226).

Aceleração

“Ce que le vulgaire appelle du temps perdu est bien souvent du temps gagné” (Alexis de Tocqueville, La Démocracie en Amérique, 1835-1840).

O tempo tem muito a dizer ao tempo. Por exemplo, que é menos elástico do que se acredita, não obstante a compressão do espaço e do tempo, que, mais do que diminuir, gera outro espaço e outro tempo. O tempo não é geometria sem centro nem circunferência. O trabalho pede tempo, o cuidado de si, também. Actividade sobre actividade, a disponibilidade pessoal enrola-se numa bola  de sabão prestes a aterrar. A compressão e a policronia têm limites. Qualquer actividade é aviada num despacho qualquer. Despacham-se aulas, textos, júris, consultas, clientes… A curiosidade turística definha numa fotografia apressada. Até a caridade se despacha. E as ideias atropelam-se. Vivemos numa sociedade do presente, simultaneamente, efémera e acelerada. Nesta correria, do gato, biológico, ao telemóvel, digital, vamos despachando tarefas, emoções e sentimentos. O tempo é uma das principais matrizes da vida humana. Na era da compressão, precisamos da sabedoria que a míngua de tempo impede. Neste tempo sem tempo, a qualidade virtualiza-se, fantasiada em índices abstractos e fórmulas matemáticas. O triunfo da urgência acena-nos com o delírio do agir sem tempo, oportunista, órfão do cronómetro, do calendário e da razão. A nossa tragédia destemperada.
Carregar na imagem para aceder ao anúncio.

vodafone 2

Marca: Vodafone. Título: Power to you. Agência: Jung von Matt. Internacional, 2013.

Agarra que é imagem!

Este anúncio justificaria uma experiência laboratorial: cobrir o corpo com sensores e registar os resultados. Sequências e planos alucinantes ao ritmo de uma música eletrizante. Imagens fantásticas captadas por câmaras que se colam ao olhar como lentes de contacto. Espetamos o nariz nas perseguições, acusamos os choques, desviamo-nos da bola, pasmamos durante os frozen… Movimento, potência, excesso e cavalheirismo. Tudo o que se espera do rugby. Muitos anúncios visam lograr impacto; poucos o conseguem; raros o fazem como este.

Anunciante: HSBC. Título: Serious Play. Agência: JWT London. Direção: Paul Middleditch. Reino Unido, Março 2012.