Homo Erraticus (Ian Anderson)

Teimoso, preguiçoso, cínico, melancólico e errático, nada submisso.

Nos anos sessenta e setenta, as bandas primavam por desenvolver uma sonoridade própria, a que se acrescentava, frequentemente, uma voz singular: Beatles, The Shadows, Rolling Stones, The Doors, Moody Blues, Creedence Clearwater Revival, Pink Floyd, Deep Purple, King Crimson, Black Sabath, Camel, Led Zepplin, The Who, Yes, Genesis, AC/DC, Renaissance, Tangerine Dream… E Jethro Tull!

Ando há anos para colocar os Jethro Tull no Tendências do Imaginário. Até agora, não encontrei um bom pretexto. Tão pouco hoje. Mas hoje, dia de descanso fúnebre, dei-me ao luxo de procurar vídeos dos Jethro Tull. Combinando qualidade do vídeo e da música, retive dois clássicos: Aqualung (1971) e Too Old to Rock ‘n’ Roll: Too Young to Die! (1976). Esticando-me no tempo, resgatei o instrumental Bourée (1969), num programa da televisão francesa, com um cenário expressivo.

Jethro Tull. Bourée. Stand up. 1969. Ao vivo na Televisão Francesa, programa La Joconde, 1969.
Jethro Tull. Too Old to Rock ‘n’ Roll: Too Young to Die! Too Old to Rock ‘n’ Roll: Too Young to Die! 1976. Ao vivo. British TV Show “Supersonic”, Março 1976.
Jethro Tull. Aqualung. Aqualung. 1971. Ao vivo. Rockpop In Concert 1982.

Etiquetas:, ,

About tendências do imaginário

Sociólogo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: