Corpos grotescos

Voiz. The Secret.

Entupido, lento e mole. Não me apetece nada, nem avaliar trabalhos, nem escrever um artigo sobre a cumplicidade dos objectos. Nada? Talvez um post no blogue. A razão tem manhas; a não razão, também. Je suis enrhumé. Nas últimas semanas, as visualizações diárias provenientes de França ascendem a 250, bastante acima de Portugal. Tanto catequizo contra a lusa estrangeirice, e o blogue teima em ser visitado, sobretudo, por estrangeiros. Portugal sempre sobrevalorizou o estrangeiro. Na minha infância, ia-se a um baile porque a orquestra era espanhola. Um circo digno desse nome tinha leões, macacos e estrangeiros. Até o nosso herói nacional era um tudo nada estrangeiro: de Moçambique. Não admira que em documentos oficiais se estipule que um artigo numa revista estrangeira vale por dois artigos numa revista portuguesa. Tirando a prova dos nove, isto significa que uma revista científica estrangeira vale por duas revistas científicas portuguesas. De tolo e de conde Andeiro, todos temos um pouco.

Tudo isto é grotesco. O anúncio tailandês The Secret, da Voiz, também é grotesco, por sinal, de excelente colheita. Brilhou no Festival de Cannes onde conquistou vários “leões”. É rabelaisiano, boschiano, maneirista, surrealista, mais o resto da lista. A intuição de base, um casal em que a mulher tem um olho na testa e o homem, uma boca no pescoço, é explorada com mão de génio.

Encontrar músicas para curtas-metragens grotescas não é fácil. Escolhi três compositores: Shostakovich, Mussorgsky e Rebekka Clarke. Se há domínios em que somos pitosgas, a música é um deles. Afeiçoamo-nos a um género e não variamos. Não nos cansamos de ratificar os gostos. Na arte, já nos familiarizamos com a importância da estética do feio. Nestes excertos, comprova-se que se pode compor boa música com sons desagradáveis.

Marca: Voiz. Título: The Secret. Agência: Ogilvy Group Thailand. Direcção: Wuthisak Anarnakaporn. Tailândia, Junho 2018.

Dmitri Shostakovich. Two Pieces for String Quartet: II. Polka – Part 2/2. 1931.

Modest Mussorgsky. Pictures at an Exhibition: Gnomus. 1874.

Rebecca Clarke. Grotesque for viola and cello. C. 1916.

About tendências do imaginário

Sociólogo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

%d bloggers like this: