O festim dos macacos

Ver a realidade através de frases é ser intelectual? Prefiro vê-la pelos teus olhos.

Jan Brueghel o Velho. O festim dos macacos. 1621. Foto Fernando

01. Jan Brueghel o Velho. Festim dos macacos. 1621. Foto Fernando.

O meu rapaz mais novo está de visita ao meu rapaz mais velho. Na Casa de Rubens, em Antuérpia, descobriu o Festim dos Macacos, de Jan Brueghel o Velho (c. 1621). Enviou-mo. É uma alegoria da vaidade humana.

Jan Brueghel the Elder. Festim de Macacos. 1620's

02. Jan Brueghel o Velho. Alegoria da vaidade. Festim de Macacos. C. 1621.

Os macacos estavam em voga nos séculos XVI e XVII. Na pintura (Figura 3) e nas festas. Nas procissões do Corpo de Deus, a espécie mais prezada era o bugio (não confundir com os bugíos do São João de Sobrado).

David_Teniers_(II)_-_Smoking_and_drinking_monkeys.C. 1660

03. David Terniers (II). Macacos a beber e a fumar. C. 1660.

Há imagens que me apetece ouvir. A singerie de Jan Brueghel o Velho lembra-me algumas composições dedicadas a animais:

La Fête de l’Ane. Música medieval. Clemencic Consort.
Jean-Philippe Rameau. La Poule. 1728.
Louis-Claude Daquin. Le Coucou. 1735.
Nikolai Rimsky-Korsakov. Flight of the Bumblebee. 1899-1900.
Camille Saint-Saens. O Carnaval dos Animais. 1887…

Mas decidi-me por Dimitri Shostakovich, menos pelos macacos e mais pelo festim.

Dimitri Shostakovich.  Taiti Trot (Tahiti Trot), Op. 16. 1927.

Dimitri Shostakovich. Jazz Suite No. 2- VI. Waltz 2.opus. 1938.

About tendências do imaginário

Sociólogo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: