Archive | Outubro 2016

Apelo ao prazer

esqueleto-turquia-2

Fig 1. Mosaico grego. Província de Hatay, sul da Turquia. Séc. III a.C.

Este mosaico grego foi encontrado em 2012 na província de Hatay, no sul da Turquia, correspondente à antiga Antioquia. Datado do século III a.C., representa um esqueleto, sob fundo negro, com um copo na mão esquerda. Ao seu alcance pão e uma garrafa de vinho. As letras dizem: “sejam alegres e aproveitem a vida”. Uma exortação próxima do carpe diem de Horácio. Soa estranho vindo de um esqueleto. Adquirimos o hábito de associar os ossos humanos à vanitas (vaidade, vacuidade). No entanto, a morte risonha, divertida ou boa companheira é uma figura frequente, mormente, na Idade Média e no Renascimento. Sem receio de cometer um anacronismo, este mosaico é um dos “posters” mais interessantes da história da humanidade.

esqueleto-turquia

Fig 2. Mosaico grego. Província de Hatay, sul da Turquia. Séc. III a.C.

Novelos de lã e bolas de neve

ray-ban-yarnA Ray-Ban teve uma ideia rara. Um novelo de lã a rebolar rua abaixo com um homem dentro. Desfiado o novelo, aparece o homem. O homem? Um homem com óculos Ray-Ban. Como respirou? Como saiu ileso? Porventura, graças aos óculos. Yarn é um anúncio viral bem concebido e bem realizado. A ideia de um homem dentro de um novelo em movimento é fabulosa. Lembra, porém, o anúncio Snowball, da Travelers. A bola não se desfaz mas avoluma-se à medida que desce a rua. É um monstro que tudo absorve. Destroça-se, a abarrotar de pessoas e objectos, contra a fachada de um edifício histórico. Para fácil acesso, retomo o anúncio da Travelers.

Marca: Ray-Ban. Título: Yarn. Agência: Cutwater. Direcção: Chuck McBride. Estados Unidos, 2009.

Marca: Travelers. Título: Snowball. Agência: Fallon. Direção: Dante Ariola. EUA, Outubro 2006.

Trabalhadores do contrabando

victor-coyote-tio-budo

Victor Coyote, Tio Budo. 2014.

Casa de ferreiro, espeto de pau! Só agora, graças ao José Pinto, dos Arcos de Valdevez, e a Valter Alves, responsável pelo blogue Melgaço, entre o Minho e a Serra, me dei conta de que o documentário galego Traballadores do Contrabando está, há mais de um ano, disponível no YouTube. Trata-se de uma obra notável sobre o contrabando nas margens do rio Minho. Tem a assinatura de Victor Aparício Abundancia, responsável pela realização e pelo argumento. Tive o prazer de participar nesta iniciativa. Cabe-me fazer a transição entre as diversas partes do documentário.

Traballadores do contrabando. Realização e argumento: Victor Aparício Abundancia. Produção: Alen Films e Televisión de Galicia. 2006.

Victor Aparício Abundância também é conhecido por Victor Coyote. Figura multifacetada, fundou a banda Los Coyotes, em Madrid, em 1980. Acrescento as canções Estraño Corte de Pelo, lançada em 1982, e Yo, Que Creo en el Diablo, de 2004. Victor Coyote também desenha e escreve. Por exemplo, Cruce de Perras y Otros Relatos de los 80, Visual Books, 2006; ou Tio Budo, Fulgencio Pimentel e hijos, 2014.

Foi um prazer conhecer Victor Coyote. Ainda bem que há mundo.

Los Coyotes. Estraño Corte de Pelo. Estraño Corte de Pelo. 1982.

Victor Coyote. Yo, Que Creo en el Diablo. A Qué Vien Ahora Silbar?. 2004.

Arte com todos

lart-pour-tous-1864

L’Art pour tous é o nome de uma revista francesa fundada em 1861, dirigida por Émile Reiber e editada por A. Morel & cie (Paris). A arte para todos configura uma mentira iludida. Se acrescentarmos l’art par tous (a arte por todos), incorremos numa mentira descarada. Há, no entanto, quem acredite e pretenda fazer acreditar.

lart-pour-tous

Parks, John A, L’Art pour tous. Ed. Marcel Didier Inc, 2015.

Seguem dois vídeos bem-dispostos. Tomados à letra, acreditam nos milagres da arte. O primeiro, Student helps blind man see Picasso, do Museu de Arte de São Paulo (MASP), aponta para a universalização da recepção da arte (a arte para todos). O segundo, Trace d’homme, do Museum fur Kunst und Gewerbe, de Hamburgo, sugere que a criação artística (a arte por todos) está ao alcance de qualquer um, nem que seja por acidente. Carregar na última imagem para aceder ao segundo vídeo.

Museu de Arte de São Paulo (MASP). Student helps blind man see Picasso. Brasil, 2001.

arte-hamburgo

Museum fur Kunst und Gewerbe. Trace d’homme. Hamburgo, Alemanha, 2006.

L’italiano vero

tiscaliUma volta ao mundo em 80 imagens culmina num operador de Internet. O anúncio Millions of people, da Tiscali, irradia ambição e qualidade. A preto e branco, como muitos filmes de grata memória. É falado em italiano. Língua de Giotto, Dante, Michelangelo, Leonardo da Vinci, Bernini, Caravaggio, Vivaldi… Grande a língua onde florescem as artes!

Pode aceder ao anúncio em inglês nesta ligação: http://www.culturepub.fr/videos/tiscali-tiscali-net-millions-of-people/.

Para terminar, um convite para recordar L’italiano, de Totto Cutugno (1983).

Marca: Tiscali. Título: Millions of people. Agência: Brw & partners. Direcção: Gregor Nicholas. Itália, 2000.

Toto Cutugno. L’Italiano. 1983.

Reforma

Tornou-se receita corrente tirar um “morto” da urna em vez de um coelho da cartola. Com este “truque”, o anúncio Box, da HBSC informa que na Polónia 57% dos reformados encaram a reforma com um tempo de repouso; no Egipto, 40% consideram a reforma como o princípio do fim; no Canadá, 58% dos reformados perspectivam a reforma como uma oportunidade. E se, em Portugal, uma percentagem semelhante valorizasse a reforma como tempo de aprendizagem e partilha de saber? As universidades seriam menos fábricas de investigação e antecâmaras do emprego e mais, honrando o passado, lugares de cultura, arte e conhecimento. Com reformados, talvez rejuvenesçam.

hbsn

Marca: HBSC. Título: Box. Reino Unido, 2007.

O período

kotex

A assunção da menstruação anda no vento. No anúncio Blood, da Libress, o lema é No blood shoud hold us back (https://tendimag.com/2016/10/05/sangue/). O anúncio brasileiro da Kotex insta as mulheres a não se inibir por causa da menstruação. Sustenta que o período não é um obstáculo. Os exemplos escolhidos têm impacto: uma chefe de cozinha, uma surfista, uma repórter… “Tratemos al período como lo que es. Algo natural, saludable. No un problema. Si, el período existe. No te detengas”.

Menos recente, o anúncio chinês da Kotex é bem humorado. Convoca gatos, porque “os gatos são sensíveis” e “as mulheres são tão sensíveis como os gatos”. Traçado o desenho, falta o teste. A evidência empírica não engana: os gatos só se sentem confortáveis com pensos higiénicos Kotex. Caso contrário, andam de lado, curvados ou de rastos.

Marca: Kotex. Título: No te detengas. Agência: Ogilvy & Mather Rio de Janeiro. Direcção: BABYS. Brasil, Setembro 2016.

Marca: Kotex. Título: Kotex’s Cat Video. Agência: Ogilvy & Mather Asia. China, 2014.

O amor da morte pela vida

the-life-of-death

A curta-metragem “The Life of Death”, de Marsha Onderstijn (Holanda), é vagarosa. Sossega. Convida-nos a manter o espírito em vigília. A morte lembra Midas. Tudo que tocava transformava-se em ouro. A morte tudo que toca perde a vida. Há séculos que se alude ao beijo, ao abraço, ao sopro ou ao toque da morte. Nesta curta-metragem, a morte toma-se de amores por um veado e, por extensão, pela vida. A recompensa de Midas revelou-se um pesadelo; a potência da morte, uma prisão. Não pode tocar sem matar, incluindo quem gosta. Como em todas as pequenas e boas histórias, os dados estão lançados: o veado abraça a morte e morre. Matar por impotência e morrer por amor. Esta relação entre a morte e o veado enquadra-se num intervalo da ordem do mundo, uma espécie de limbo para a morte. Para que conste, houve um tempo em que a morte amou a vida e a vida amou a morte.

Obrigado, Celeste! Este vídeo é uma pérola.

Marsha Onderstijn. The Life of Death. Holanda, 2012.

1 000 km sem urinar

jeanneke-pis-bruxelles

Jeanneke pis. Bruxelas.

Entre as sensações de libertação da humanidade, consta a mijinha aflita. Este anúncio lembra-o repetidamente. Mas já o sabíamos. Suspeitávamos, também, que os automóveis não têm rins nem bexiga. Mas não imaginávamos que é ausência de função urinária que os torna tão económicos. O novo Cross Up da Volkswagen anda 1000km sem reabastecer!

Marca: Volkswagen. Título: Vos necessitás parar, tu auto no. Agência: DDB (Buenos Aires). Argentina, Outubro 2016.

Os cavalos também riem

jolly-jumper“Os cavalos também se abatem” é o título de um filme de Sydney Pollak (1969), a partir do romance homónimo de Horace McCoy (1935). Embora “o riso seja apanágio do homem” (François Rabelais), os cavalos também riem. Por exemplo, o Jolly Jumper, do Lucky Luke. Os anúncios abrem-se cada vez mais ao disparate. A promoção do produto processa-se através do desvio. Um desvio impregnado de imaginação. Os cavalos riem, rebolam-se no chão. Riem de um condutor que não consegue estacionar. Este é o caudal do anúncio. Outro condutor consegue estacionar graças ao dispositivo de reboque do Volkswagen Tiguan. Esta é a foz em que desagua o anúncio.

Os cavalos riem! Mas, a crer neste anúncio, não riem de tudo. “Rir de tudo o que se faz ou diz é estúpido, não rir de nada é imbecil” (Erasmo). Bem-aventurados os cavalos: “a faculdade de rir às gargalhadas é sinal de uma alma excelente” (Jean Cocteau).

Os cavalos riem! Os burros mordem.

Marca: Volkswagen. Título: Laughing horses. Agência: Grabarz & Partners. Direcção: Bart Timmer. Alemanha, Setembro 2016.