Tag Archive | sofrimento

Quando o corpo incomoda a alma

Avoir un corps, c’est la grande menace pour l’esprit (Marcel Proust, Le temps retrouvé, NRF, 1927).

Leon Bonnat. Job. 1880.

O corpo fala. Não se cala. E grita! Dores, avisos, urgências e avarias; a alma não sossega. A quem tem o purgatório em vida, apetece-lhe cegar os sentidos, pontapear o mundo e puxar o paraíso pelos cabelos.

A Bíblia permite várias interpretações. No Génesis, Adão e Eva andavam nus. Mal comeram a maçã, procuraram folhas de figueira para se resguardar. Foi nesse preparo que Deus os encontrou. O primeiro castigo não foi o trabalho, nem o parto, mas o corpo! Acontece zangar-me com o corpo. E não adianto nada.

A canção Child in Time, dos Deep Purple, vem, já tardava, a talhe de foice.

Deep Purple. Child in Time. Deep Purple In Rock. 1970. (Official Video) [HQ].

Lesão cerebral infantil. Recuperação

Afasia. Autoria: MARC DOZIER / CORBIS

A recuperação de um trauma ou de uma lesão cerebral pode representar um desafio incerto e tenebroso para uma criança. O anúncio One Word, vencedor do Leão de Ouro de “Melhor Filme” no Festival de Cannes 2019, ilustra este tormento com sons e imagens arrepiantes. Mas, no que respeita à recuperação da fala, existe uma esperança: a aplicação Constant Therapy.

É admirável como uma animação consegue expressar tão intensamente a impotência e o pânico.

Anunciante: Constant Therapy. Título: One Word. Agência: Area 23. Produção: Lightfarm Studios Rio De Janeiro. Estados Unidos, Maio 2019.

Os anjos também sofrem

Escultura. Cemitério de Varsóvia

Escultura. Cemitério de Varsóvia.

Os anjos estão entre as raras figuras do nosso imaginário que tanto vivem nas trevas como na luz. Aprendi com o filme As Asas do Desejo (1987), de Wim Wenders, que os anjos amam e sofrem. Os cemitérios, entrepostos da vida e da morte, abrigam muitos anjos inconsoláveis.

Acrescento o vídeo musical My Immortal, dos Evanescence. Porque sim!

Evanescence. My Immortal. Origin. 2000.

Dobras de sofrimento

Mourning women in the tomb of Vizier Ramose, Amarna period. Photo VB

01. Mourning women in the tomb of Vizier Ramose, Amarna period. Photo VB.

Existem várias formas de lamentar a morte. Desde a encenação dramática da dor (Figura 1) até ao recolhimento íntimo do sofrimento. Nas figuras 2 a 7, o manto e o véu cobrem quase todo o corpo, incluindo o rosto. Mas se ocultam a dor, também a manifestam. A intensidade do sofrimento imprime-se, precisamente, nas dobras, nas muitas dobras, dos mantos e dos véus. Configuram uma espécie de sismógrafos da agonia. Antes de Bernini, no túmulo de Filipe o Audaz, e depois de Bernini, nas esculturas dos cemitérios europeus, os mantos choram por si.

 

 

Páscoa

Artur Bual. Cristo. 1991

Artur Bual. Cristo. 1991

Admiro, como Miguel de Unanumo, os “homens mais carregados de sabedoria do que de ciência”.

“Certo pedante, vendo Sólon chorar a morte de um filho, disse-lhe: “Para que choras dessa maneira, se isso de nada serve?” E o sábio respondeu-lhe: “Precisamente porque para nada serve.” (…) O que de mais sagrado existe num templo é o facto de ser o lugar aonde se vai chorar em comum. Um Miserere, cantado em coro por uma multidão açoitada pelo destino, vale tanto como uma filosofia. Não basta curar a peste, há que saber chorá-la! Sim, importa saber chorá-la! E esta é, talvez, a suprema sabedoria.” (Unanumo, Miguel,1913, Do sentimento trágico da vida, Lisboa, Relógio d’água, 2007,p. 22).

Páscoa, paixão, sacrifício, expiação e redenção. Ocorre-me Lisa Gerrard.

Lisa Gerrard & Pieter Burke. Sacrifice. Duality. 1998.

Tolerância covarde

Ministère de l'Éducation Nationale

La mise au point é um anúncio promovido pelo Ministère de l’Éducation Nationale (França) dedicado ao bullying nas escolas. É, antes de mais, um anúncio sóbrio, o que é raro nos anúncios de denúncia. Sente-se a opressão quotidiana que sufoca as vítimas. O seu medo da próxima série de agressões, ao mesmo tempo iminente e imprevisível. Uma angústia escrita com letras de maldade. O bullying não é um quisto, é uma mancha que nos polui e nos degrada. A vítima podia ser nosso filho; o agressor, também. O anúncio centra-se na figura da testemunha que é incitada a falar. Apresenta duas vozes: a da vítima e a da testemunha. A voz da testemunha revela a dificuldade em assumir uma posição. Abordámos a questão da testemunha de bullying no artigo O Dilema da Testemunha (https://tendimag.com/2017/10/23/o-dilema-da-testemunha/).

Quando acordo maldisposto, surpreendo-me a pensar inconveniências. Por exemplo, que, em relação ao bullying, como em relação a outras formas de violência, há por parte de todos nós uma certa tolerância covarde. Mas se em vez de ocorrer na realidade, acontecer no ecrã, a reacção afigura-se-me outra: intolerância heróica, ou seja, o oposto. Tolerantes covardes na realidade; intolerantes heróicos face ao ecrã.

Anunciante: Ministère de l’Éducation Nationale. Título : La mise au point. França, Novembro 2017.

Sentinelas da desgraça

O anúncio It’s a hard knock life, da empresa de lacticínios norueguesa Tine, faculta um minuto de choques, quedas e pancadas de crianças. Mostra-nos os incidentes, bem como o sofrimento decorrente. O que seria sem o leite Tine? A acompanhar o anúncio, uma notícia enfatiza que nenhuma criança se magoou durante as filmagens. Este tipo de reparo adquire, por vezes, mais relevo do que o próprio anúncio.

Vídeos semelhantes, com acidentes e desastres humanos, infestam a Internet. Com milhões de visualizações. As pessoas gostam! Tine tão pouco pensa incomodar e, ainda menos, afastar as pessoas, pretende, outrossim, cativá-las.

Os próprios telejornais parecem um rosário de desgraças. Inflacionam as notícias associadas ao sofrimento e encolhem as notícias susceptíveis de gerar felicidade.

A empresa Tine e os canais de televisão sabem o que fazem. Não é sadismo. Tudo indica que o espectáculo do sofrimento é atraente.

Exposição Vertigens do Barroco. Baú. Séc. XVIII. Paço dos Duques de Bragança.

Exposição Vertigens do Barroco. Baú. Séc. XVIII. Paço dos Duques de Bragança.

O que significa este voyeurisme de massas?

Com Aida Mata e Anabela Ramos, participei na organização da Exposição Vertigens do Barroco: em Jerónimo Baía e na actualidade, aberta ao público de 24 de Março até 2 de Setembro de 2007, no Mosteiro de São Martinho de Tibães. No recanto das “emoções confortáveis”, um baú barroco, um sofá  e um ecrã com anúncios publicitários. Emoções aconchegadas no regaço da segurança. Falso ou verdadeiro, o espectáculo do sofrimento comove, revolta e mobiliza. Afloramentos efémeros de solidariedade inconsequente. A quintessência da identificação e da tele-solidariedade traduz-se na seguinte equação: “não é a mim, mas é como se fosse”. Luc Boltanki (1993, La souffrance à distance, Paris, Metailié) fala em “sofrimento à distância”. Uma espécie de tele-sofrimento. Um sofrimento que ressoa no vazio, estremece a bondade e recompõe a alma.

Marca: Tine. Título: It’s a hard knock life. Agência: Try (Oslo). Direcção: Martin Werner. Noruega, Outubro 1017.

 

Abismo

Les « fenêtres à vendre », detalhe. Ethiques, politiques et économiques d’Aristote. Séc. XV. Iluminura. Biblioteca Municipal de Rouen, ms 12, fol. 127 v°.

Les « fenêtres à vendre », detalhe. Ethiques, politiques et économiques d’Aristote. Séc. XV. Iluminura. Biblioteca Municipal de Rouen, ms 12, fol. 127 v°.

Tudo que tenha efeito de sentido pode interessar à publicidade. Mesmo o tabu mais disfórico. A publicidade é omnívora. E cada vez mais autónoma. Faz caminho pelo seu próprio pé. Declina, também, confinar-se à trindade do bom, do bem e do belo. Pode, por exemplo, contrapor uma paródia grotesca de um suicídio. Não é bom, nem bem, nem belo, mas tem efeito.

Marca: Immoweb. Título: Ouch. Agência: Witloof Productions. Creativo: Fred De Loof. Bélgica, Dezembro 2014.

Gostar não basta!

CRS Crisis Relief Singapore. Liking isn't helping. Publicis. Singapura, Junho 2013.

CRS Crisis Relief Singapore. Liking isn’t helping. Publicis. Singapura, Junho 2013.

Há cerca de um ano, um artigo intitulado “generosidade virtual” apresentava um anúncio da UNESCO a alertar para a inoperância dos “like” em matéria de ajuda humanitária (https://tendimag.com/2013/04/24/generosidade-virtual/). Recordo, agora, uma campanha semelhante lançada, em Junho de 2013, pela CRS (Crisis Relief Singapore), em Singapura. Apesar da diferença de possibilidades, a fotografia preserva virtudes que escapam ao vídeo. Excelente publicidade de consciencialização.

CRS Crisis Relief Singapore. Liking isn't helping. Publicis. Singapura, Junho 2013.

CRS Crisis Relief Singapore. Liking isn’t helping. Publicis. Singapura, Junho 2013.