Tag Archive | digital

A fechadura grotesca

Ex-votos

Ex-votos.

O anúncio chinês Intelligent Lock, para a Kaadas, é um cúmulo do grotesco. Corpos despedaçados num mundo desconexo e caótico. O anúncio baralha os nossos sentidos e os nossos sentimentos. É sinistro, mas consegue pôr-nos a rir. Embora delirante, aparentemente desmiolado, manifesta-se completamente racional. É racional pelos fins visados: a promoção das fechaduras Kaadas. E é racional em relação aos meios mobilizados. O anúncio é composto por uma sucessão de enigmas: como conseguem os pais reconhecer os filhos e estes abrir a porta? Ao jeito de um romance policial, a solução está guardada para o desfecho final: as fechaduras Kaadas abrem com um toque e identificam a pessoa. Apesar do desconcerto, Intelligent Lock revela-se mais racional do que os anúncios em que não existe relação aparente entre, por um lado, a imagem, o som e a narrativa e, por outro, o produto ou o serviço. Nestes casos, a ligação, a ponte, entre o conteúdo e o produto do anúncio é impressiva, subliminar ou alegórica.

Marca: Kaadas. Título: Intelligent Lock. Agência: F5 Shanghai. China, Outubro 2018.

Liberdade digital

Quando um poder alheio me invade o quintal, fico zangado. Asseguram que a Internet é uma infinita liberdade rumo ao paraíso da igualdade. Como são felizes aqueles que acreditam! Atrás, ao lado, dentro ou em cima de uma rede social, de uma plataforma ou de um algoritmo estão seres humanos, feitos do mesmo barro que nós. Prepotentes, omnipotentes, omnividentes e omniscientes, são deuses ocultos. Num ápice, apoderam-se da tua conta, da tua página, do teu blogue… Armados com regras e protocolos, censuram, retificam, bloqueiam, removem. Estes poderes do mundo digital fazem de nós o resto de nada. Um grão de areia na praia da Figueira da Foz.

A que propósito vem a praia da Figueira da Foz? Este fim-de-semana, o Facebook “encerrou”, sem aviso, mais de 2 000 artigos da minha página pessoal e bloqueou as ligações ao blogue Tendências do Imaginário. Uma autêntica purga. Qual o motivo? “Spam”! Componho os artigos no Tendências do Imaginário e partilho-os na página do Facebook. Uma rotina com, pelo menos, oito anos. Levou tempo a descobrir o “spam”! Isto dói.

Muitas das músicas dos Pink Floyd são de revolta e resistência. Hoje, apetece-me ouvir o álbum Meddle (1971), que conserva alguma frescura dos primeiros álbuns no momento de viragem para a maturidade.

Gosto dos Pink Floyd, sobretudo do álbum Meddle (1971), que conserva alguma frescura dos álbuns anteriores sem ceder ainda à maturidade dos seguintes. Quando estou zangado, costumo ouvir a primeira faixa, “One of these days”, e a terceira, “Fearless”. Nos dias de indignação, os Pink Floyd oferecem-se como um bálsamo estimulante.

Carregar nas imagens para aceder aos vídeos.

Pink Floyd. One of these days. Meddle. 1971. Video extracted from the DVD Pink Floyd Live @ Pompeii (The Director's Cut).

Pink Floyd. One of these days. Meddle. 1971. Video extracted from the DVD Pink Floyd Live @ Pompeii (The Director’s Cut).

Pink Floyd. Fearless. Meddle. 1971

Pink Floyd. Fearless. Meddle. 1971

O ceptro e a consola

bbh-the-king-hed-2016

“O meu reino por um cavalo”
(William Shakespeare, Ricardo III)

Gonzalo Torrente Ballester escreveu, inspirado em Filipe IV de Espanha, a Crónica do Rei Pasmado (1989). Pois o rei do anúncio da Playstation 4 troca o prazer pasmado da corte pela violência gloriosa de um cavalo digital. “Follow the king in his journey to find his greatness”. Com a devida imersão, a emoção não é um espectáculo mas uma demanda e uma conquista. O tédio é o inimigo do homem electrónico; o poder e a adrenalina, o seu vício. O ceptro não é nada ao lado de uma consola. Quanto ao anúncio, pouco a dizer: como de costume, a Sony galopa a caminho da perfeição.

A música de fundo é uma adaptação, ao jeito dos videojogos, da canção Sweet Dreams (Are Made of This) dos Eurythmics (1983). Para além do vídeo oficial da canção original, acrescento a versão grotesca de Marylin Manson (1995). Estas interpretações são tão diferentes que não perdem em aparecer juntas.

Marca: Playstation 4. Título: The King. Agência: BBH (New York). Direcção: Martin de Thurah. Estados Unidos, Novembro 2016.

Eurythmics. Sweet Dreams (Are Made of This). Sweet Dreams. 1983.

Marylin Manson. Sweet Dreams (Are Made of This). Smells Like Children. 1995.

O amor, o papel e o digital

Paperman

Que seria do amor sem o papel? Um amor digital? Cartas de amor, quem as não tem? E emails com 720 kb de amor? Corpos Photoshop. Virais ou protegidos, com firewall e anti-vírus. Carícias à velocidade da luz… Tenho cá para mim que um dia virá em que as crianças vão nascer na motherboard por contacto online. Em suma, filhos digitais. Nada que não esteja ao alcance da nossa elite científica, discriminada positivamente pela actual sagacidade política. Vai ser emocionante ler no rodapé dos telejornais: oito gémeos provenientes de uma ligação no Twitter nasceram por download; no Japão, uma consola deu à luz uma futura equipa de futebol… Era tão giro, não era? A descoberta científica do milénio para resolver o problema do século! Agora ou nunca!… Os portugueses ficaram famosos por andar a espalhar sexo pelo mundo. Pelo menos assim o advoga a teoria do lusotropicalismo. Em breve, será a vez do sexo digital e do lusodigitalismo. Para uma visualização de Paperman com mais qualidade, aceder http://www.dailymotion.com/video/xzt3vb_paperman_shortfilms.

Paperman (O rapaz do Papel). John Kahrs. 2012.

Papel Digital

Digital Insurance. BrazilEm turismo no Brasil, um casal de pombos depara-se com a destruição da floresta. Não revelo mais para não ser spoiler. Pode carregar em HD no canto superior direito do vídeo.

Marca: Digital Insurance. Título: Brazil. Agência: BBR Saatchi & Saatchi, Israel. Direção: Rani Carmeli. Israel, Outubro 2013.

O Papel e o Digital

Pedro H. da Sila e Lúcia Caruso

« Quando se trata não apenas de saber o que seja o método positivo, mas de ter dele um conhecimento bastante nítido e profundo para usá-lo efectivamente, é mister considerá-lo em acção (…) O método não é susceptível de ser estudado separadamente das investigações em que se emprega; ou, ao menos, este é apenas um estudo morto, incapaz de fecundar o espírito que a ele se entrega. Tudo o que se pode dizer de real, quando o tomamos abstractamente, se reduz a generalidades de tal modo vagas que não poderiam ter qualquer influência sobre o regime intelectual (…) É por ter desconhecido esse fato essencial que nossos psicólogos foram conduzidos a tomar por ciência seus próprios sonhos, acreditando compreender o método positivo por ter lido os preceitos de Bacon ou o discurso de Descartes » (Auguste Comte, Curso de Filosofia Positiva, 1830).

Perguntam-me o motivo por que, em casos como o do texto da folia, opto pelo blogue em detrimento da publicação em revista de papel. Lograria outro estatuto. E contaria para a avaliação, incluindo as instituições de que sou membro. É verdade que não se augura que os órgãos de avaliação se apressem a contemplar os artigos de blogue no cardápio dos valores. O dispositivo da avaliação assenta numa mistura sui generis de burocracia e aristocracia com pouca disponibilidade para a diversidade e para a novidade. Tudo indica que, em termos da avaliação, um artigo publicado num blogue é menos que lixo.

Como se justifica um investimento que, do ponto de vista institucional, não acrescenta valor?

1)      A maior parte dos artigos de blogue nunca teriam visto a luz do dia como artigos de revista. Os artigos de revista requerem tempo e agendamento, condições cada vez mais raras. Um artigo de blogue pode escrever-se no momento e em pouco tempo, sem prejuízo do conteúdo.

2)      Para publicar um artigo de revista, não basta o substrato, convém acrescentar ingredientes teóricos e molho metodológico. Mesmo que o substrato pouco ou nada beneficie com o acrescento. O mundo científico é cioso dos seus rituais. Num artigo de blogue, a teoria e o método ganham em ser « considerados em acção », como sustenta Auguste, mais acto do que aparato.

3)      Redigir um artigo é apostar na comunicação. Há artigos do blogue que atingiram milhares de visualizações. Duvido que um artigo meu numa revista tenha recolhido tantas leituras.

4)      O blogue tem mais recursos de expressão do que uma revista em papel. Uma coisa é referir a folia de Manuel Machado ou um anúncio da Durex, outra é ver e ouvir ambas.

5)      As possibilidades de participação são incomparáveis. A interacção no blogue é mais imediata, mais variada e mais fácil. A longevidade suscita, contudo, mais reservas : um artigo de um blogue corre o risco de ser mais efémero.

Apesar deste balanço, vou aproveitar estas férias para escrever um artigo de fundo (a publicar em revista electrónica). A não ser mais, para o gosto de ser avaliado, sem ser lido.

A responsável por estas letras gongóricas é a Ana Barros, uma amiga, que, na sequência do artigo Folia Portuguesa (https://tendimag.com/?s=folia+portugues), me enviou estes vídeos com jovens músicos portugueses que compõem folias interpretadas com guitarra portuguesa. Escrevi artigos em revistas que, uma vez editados, pouco retorno tiveram, ou seja, pouco aprendi graças eles. Publico um artigo no blogue e, volvidos alguns minutos, começam a chegar contributos. Um artigo, mais do que uma prova, é um acto de conhecimento.

Pedro H. da Silva & Lucia Caruso. La Folia. Piano e Guitarra Portuguesa.

Pedro H. da Silva & Lucia Caruso. La Folia. Cravo e Guitarra Portuguesa.

Benção digital

Catholic-Church-of-Montreal-be-blessedMesmo aqueles que têm uma fé ilimitada nos prodígios inimagináveis da internet se surpreendem com o advento da benção digital.

Anunciante:  Catholic Church of Montreal. Título: Annual Collection – You have your blessing. Agência: Dentsu. Canadá, Abril 2013.

Limites do Digital

Le trefle. Emma.Um amigo enviou-me este anúncio francês na versão inglesa. O anúncio mostra, intimamente, os limites do digital face ao papel. Há momentos em que o digital deixa a desejar. Segue a versão francesa do anúncio francês, porque o inglês, tal como o digital, não atende a todas as necessidades ou, pelo menos, deixa a desejar.

Marca: Le Trefle. Título: Emma. Agência: Leo Burnett France. Direção: Bart Timmer. França, Março 2013

Dança virtual

Black Sun é uma coreografia com projeção gráfica dos kagemu (Nobuyuki Hanabusa e Katsumi Sakakura). Os Kagemu bem podiam visitar este Minho bicapital: tradição e modernidade; artes do palco, gráficas e digitais; preto e branco…

A vaga digital

Estatísticas sobre o mundo digital num anúncio da Life Healthcare.

Anunciante: Life Healthcare. Título: Digital in Healthcare. Agência: Life Healthcare. Reino Unido, Novembro 2011.