Tag Archive | diaba

Diabos, diabas e diabinhos

Prenda de Natal. Diabo com diabinho ao ombro. Mistério. Barcelos.

Meia-noite feliz. Nesta freguesia, como em muitas outras, não há missa do galo. Apenas sinos e foguetes. O Natal está passado; agora é todos os dias. Convém dar tempo ao Pai Natal para descer e subir a chaminé. Coube-me um diabo com um diabinho ao ombro, da Mistério, de Barcelos. A minha cara! Há quem me ofereça prendas de que gostam; há, mais raro, quem me ofereça prendas de que gosto. Oferecer-me algo de que gostam e de que gosto é tão improvável como um eclipse solar. Um diabo com um diabinho ao ombro, há quem me conheça! Desertas as “catedrais do consumo” (Jean Baudrillard) e afrouxados os laços de amor (Zygmunt Bauman), regressam os infernos, com diabos e diabas com diabinhos ao colo (ver figuras 2 e 3). Ressurgem os malefícios e as tentações. O pecado.

Provocadora, a Madonna avançou no fio da navalha da moralidade. A primeira vez que a vi foi a cantar Like a Virgin. Vestida de noiva, simula, deitada no palco, algo como um orgasmo. Sustenta-se que a Madonna é polissémica. Mais ou menos polissemia, a Madonna esteve para ser presa no Canadá por causa da coreografia rasteira. Madonna, uma prenda! Segue uma interpretação, ao vivo, em 1984, de Like a Virgin, apresentada na MTV.

Madonna – Like A Virgin (Live MTV VMAs 1984).

Crónica dos diabos de Amarante

Fig 09. Diabos à Solta. Amarante.
Diabos, todas as terras têm. Mas diaba, é outra loiça. Então uma diaba roliça capaz de concorrer com as deusas da fertilidade!… Só em Amarante. O casal chifrudo provém, tudo o indica, das navegações por terras do Oriente. ??????????????????????????Os dois diabos alojaram-se, em boa vizinhança com os anjos e os santos, na Sacristia do Convento Dominicano de São Gonçalo. Este convívio foi interrompido, em 1809, pelos invasores franceses que os queimaram. Os amarantinos logo encontraram solução: mandaram fazer uma réplica do casal e recolocaram-no no mesmo lugar. De visita por terras de Amarante, D. Pedro V, indignado com a coabitação do demoníaco com o sagrado, retirou o casal de diabos da Sacristia e mandou-o penar para o Claustro.

Fig 10. Diabos à Solta. Amarante.Em 1870, o Arcebispo de Braga, D. José Joaquim de Moura, decide pôr termo à presença dos diabos em lugar sagrado: ordena que os queimem. Não é, porém, obedecido. Mas os diabos não têm paz. São vendidos a Alberto Sandeman e expostos em Inglaterra. Em 1889, fazem furor na Exposição Universal de Paris. Mas os diabos também são de torna-viagem. O Dr. Lago Cerqueira, Ministro dos Negócios Estrangeiros, convenceu
Alberto Sandeman a devolver o par de mafarricos.

Fig 08. Cartaz Diabos à Solta. Amarante.Foram recebidos em triunfo. Na noite de São Bartolomeu (23 para 24 de Agosto), em Amarante, tal como em Cavez (Cabeceiras de Basto), os diabos andam à solta, mais do que noutras terras: há a procissão dos diabos, o baile dos mafarricos e uma queimada. “Veste a pele de DIABO e vem para a rua!”; “Diabos à solta em Amarante”. Fogo por dentro, fogo por fora. Por uma noite, abrem-se as portas do inferno. Para uma descrição mais pormenorizada, consultar a página do Museu Municipal Amadeo de Souza Cardoso: http://www.amadeosouza-cardoso.pt/pt/historia/o-diabo-e-a-diaba.

Porto Canal. Diabos à Solta. Amarante.