Nem a morte nos separa

Amantes de Valdaro. Neolítico. Mântua, Itália.

Amantes de Valdaro. Neolítico. Mântua, Itália.

Neste tempo em que a inteligência anda tão estúpida, urge recuperar a sabedoria. “A sisudez é a armadura dos parvos” (Montesquieu).

Pompeia.

Pompeia.

Descobertos no norte de Itália, em Mântua, os Amantes de Valdaro são um caso raro de esqueletos adultos abraçados. Se não fosse um anacronismo, diria que exalam um efeito de hiper-realidade. Apresentam-se, assim, despojados de carne, mais reais do que o real. Lembram Pompeia, essa sodoma latina em que não é preciso olhar para trás para se ficar petrificado.

Pompeia

Pompeia

Há imagens de morte que arrepiam os neurónios e avariam a fé. Assinalam como é ténue e absurda a fronteira entre a vida e a morte: um campo de concentração, um acidente rodoviário, um atentado terrorista, uma catástrofe natural… No ano 79, as cinzas do Vesúvio sepultaram Pompeia e Herculano. As vítimas petrificadas parecem não ter completado a passagem. Ainda comunicam. Duas cidades enterradas vivas, cujas ruínas só foram descobertas cerca de 1 600 anos depois. Formas únicas, assombrosas. A tragédia da vida na dança da morte.

Pompeia

Pompeia

Os Pink Floyd são conhecidos pelas suas extravagâncias. As gravações ao vivo, em 1971, nas ruínas do Anfiteatro de Pompeia não constam entre as menores: o filme de um espectáculo sem público num palco improvável. Não obstante, a música dos Pink Floyd ecoa à perfeição nesta galeria de fantasmas sólidos. Durante séculos, os pintores tentaram, em vão, fixar na tela o momento da morte. O Vesúvio conseguiu esculpi-lo, em poucos minutos.

Pink Floyd. Live at Pompeii. Parte I. 1972.

Etiquetas:, , , , , , ,

About tendências do imaginário

Sociólogo.

3 responses to “Nem a morte nos separa”

  1. Rasgos Artes Beatriz Martins says :

    Entrelaçar a morte, no pressuposto de imortalizar a vida!

  2. tendências do imaginário says :

    Republicou isto em Tendências do imaginário and commented:

    “Nem a morte nos separa” é um dos meus artigos favoritos do Tendências do Imaginário. Vale a pena relembrar.

  3. Beatriz Martins says :

    Já havia comentado, mas sim, rever “é ver de novo” 🙂 . Verdade, e o que vale a pena, deve ver-se quantas mais vezes melhor. Pois é, já não farei a mesma leitura . Gosto dos Pink Floyd , e porque ninguém sabe onde e porquê, há a pluralidade de interpretação, e como cantam e bem, estou a fazer o melhor que sei…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: