Resultados da Pesquisa por tabaco

Fumar é feio

Ricardo Marenco. 2009.

Ricardo Marenco. 2009.

As três parcas da higiene pública são o nojo, a culpa e a morte. Moram no jardim da publicidade degradante. Estes três anúncios, dois da Fundação Portuguesa de Cardiologia e o terceiro da Asociación Española Contra el Cancer, convocam o nojo, à boa  maneira dos anúncios anti tabaco do início dos anos 2000. Estes vídeos são difíceis de encontrar. Desconhece-se o motivo.

Anunciante: Fundação Portuguesa de Cardiologia. Título: Modelos. Campanha”Fumar é feio, tu não comeces”, Central Models / Brandia Novodesign. Portugal, Setembro 2005.
Anunciante: Fundação Portuguesa de Cardiologia. Título: Gémeos no campo. Campanha”Fumar é feio, tu não comeces”, Central Models / Brandia Novodesign. Portugal, Setembro 2005.
Anunciante: AECC. Título: Sneeze. Agência: Torrelazur McCann, Barcelona. Espanha, Julho. 2002.

O quinto cavaleiro do Apocalipse

anti smoking

Sábado, tenho uma comunicação em Coimbra sobre as danças da morte medievais e as imagens das embalagens de tabaco actuais. Percorri o ferro velho anti tabaco. Encontrei, entre outros, estes dois anúncios

Odeia alguém? Encoraje-o a fumar. Fumar mata! Aguente o fardo até que o fumo faça efeito. Qual é a moral?

Marca: The Anti Smoking Society. Título: Couple. Agência: Mountainview. Reino Unido, 2000.

Os fumadores caem aos molhos que nem tordos. Acidente? Predestinação? Justiça? Fumar mata. Avulso ou por atacado. Qual é a moral?

Marca: Smokenders. Título: Balcony. Agência: McCann Erickson Johannesburg. África do Sul, 2003.

Pecado mundial

Fome em África

“OMS declara salsichas e enchidos tão cancerígenos como o tabaco”, eis o título da notícia no jornal Expresso de 26.10.2015 (http://expresso.sapo.pt/dossies/diario/2015-10-26-OMS-declara-salsichas-e-enchidos-tao-cancerigenos-como-o-tabaco). “Segundo documento, 50 gramas de carne processada por dia, o equivalente a duas fatias de bacon, aumentam a chance de desenvolver câncer colorretal em 18%” (http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/10/151026_carne_cancer_oms_fn).

Vamos trocar a aparência dos números. Porque os números também falam!

“Existem 42 152 novos casos de cancro colo-rectal  estimados em 2013 em França metropolitana (23 226 homens e 18 926 mulheres). A taxa de incidência, normalizada, em 2012 é igual a 38,4 por 100 000 homens e 23,7 por 100 000 mulheres” (http://www.e-cancer.fr/Professionnels-de-sante/Les-chiffres-du-cancer-en-France/Epidemiologie-des-cancers). Seja, 0,000384 e 0,000237, respetivamente. Aplicando o aumento de 18% ao exemplo francês, a incidência sobe, nos homens, de 0,000384 para 0,000453 e, nas mulheres, de 0,000237 para 0,000280. Uma diferença muito inferior a um para 10 000: 0,000069 e 0,000043. Espero não me ter enganado nas contas.

Nos nossos dias, grassa uma obsessão pela alimentação. Alimentação pela boca, pelos ouvidos e pelos olhos. Sais de fruto, para sempre! Certo é que tanto adoramos a alimentação como a tememos.

Ao nível do planeta, especialmente em África, o mais preocupante é a falta de alimentação. A fome. Segundo a FAO (The State of Food Insecurity in the World: http://www.fao.org/3/a-i4030e.pdf), em 2012-2014, havia 803 milhões de pessoas subnutridas, ou seja, 11,3% da população mundial.

Morram as salcichas, pim! Morram os enchidos, pum! Viva a música, pim, pam, pum! Ave Mundi, pam!

Arcanjos e anjos da guarda

cspi-change-the-tuneArcanjos, anjos da guarda, anjos caídos e anjos papudos… Não gosto de nenhuns, especialmente dos arcanjos e dos anjos da guarda, tão empenhados em nos salvar. Na publicidade, os arcanjos estão em voga: fundações e institutos públicos zelam por nós.
Neste prenúncio de um suposto novo Apocalipse, à Peste, à Guerra, à Fome e à Morte, acrescentam-se a soda, o álcool, o tabaco, o sexo, a circulação rodoviária e a obesidade. Os arcanjos e os anjos da guarda reforçam-se com a multiplicação de estudos e campanhas. Pretendem salvar-nos de nós próprios (expressão funesta na história da humanidade). Mas a batalha é incerta e as vitórias, frouxas.Não faltam, porém, recursos e argumentos:
– hinos e cânticos
– Imagens chocantes;
– intrusão na intimidade alheia;
– discriminação, estigmatização e culpabilização;
– exibição de monstruosidades;
– banalização da censura;
– suporte da lei e da ordem;
– profecia (vai ter uma morte lenta e dolorosa);
– ciência, medicina e estatísticas;
– pragas e ameaças (se continuar, vai ter várias mortes).
Em suma, a arte da lixívia na qualidade de vida e na limpeza civilizacional.

Anunciante: Center for Science in The Public Interest TV. Título: Change de Tune. Agência: Lumenati. USA, Junho 2015.

the_muppets_28058O anúncio Change the Tune, do CSPI TV (Center for Science in the Public Interest TV) foi publicado a semana passada. No que respeita às bebidas com soda, parece ter chegado a hora de mudar o disco. Este anúncio assemelha-se ao anúncio Unsweetened Truth, da American Legacy Foundation / Truth, de 2011. Ambos os anúncios são muito bons, no género, e recorrem a testemunhos presenciais de vítimas, demarcando-se de anúncios de sensibilização que optam pela alegoria ou pela animação (eg, as campanhas de prevenção da sida). A espetacularização das vítimas (desfile, coro), corre o risco de transformar pessoas reais em bonecos imaginados. Georg Simmel e György Lukacs chamam reificação a este fenómeno. Numa sociedade de espectáculo global, também se podia chamar, com alguma irreverência, muppetsation.

Anunciante: America Legacy Foundation/Truth. Título: Unsweetened Truth, Agência: Arnold, Boston. Direcção: Baker Smith. USA, Março 2011.

Campanha pedagógica

Os seguidores do Tendências do Imaginário são exigentes. Sustentam que a antevisão da “campanha de prevenção contra o ensino”, inspirada nas campanhas contra o consumo de tabaco, não está correta (https://tendimag.com/2015/05/31/futura-campanha-sanitaria/). Devia ser a cores, como no Canadá, desde 2001, ou em Portugal, a partir de 2016. Para me penitenciar, segue um protótipo bem colorido. com a Duquesa Feia, de Quentin Massys (1525-30). Acrescento um painel, em alta resolução, com imagens de embalagens brasileiras de tabaco.

Campanha pedagógica

verso-do-cigarro

Futura campanha sanitária

A luta contra o tabaco é apenas um passo no sentido da cura universal. Outras campanhas se seguirão, por exemplo, contra o ensino enquanto causa de transtornos psíquicos. Para prevenir o risco de perturbação mental dos professores, encara-se utilizar os manuais escolares de um modo semelhante ao dos maços de cigarros. Eis uma antevisão.

Capa de manual

Protótipo de capa de manual escolar

Contra-capa de protótipo de manual escolar

Protótipo de contra-capa de manual escolar

Animais

pedigree_first-days-outAssusta-me, mas assusta-me mesmo, o modo como o Estado e as organizações para-estatais se insinuam na privacidade das famílias e na intimidade das pessoas. Não sei se é doença infantil do totalitarismo ou biopolítica (Michel Foucault; Giorgio Agamben). Será que há quem olhe para as pessoas e veja animais? Não cheira a cravo, nem a canela, cheira a Hitler e a Estaline. Este azedume decorre do anúncio de novas imagens nas embalagens de tabaco? Talvez… De notícias de almas boas que corrigem almas más está o inferno cheio. No Jornal Público, de hoje, 12/05/2015, junto ao título “Maços de tabaco vão ter imagens de caixões de crianças”, destaca-se a notícia “Comportamento: Projeto aposta na parentalidade positiva para combater perturbações logo na infância”. No corpo do jornal, na página 8, o título é mais sugestivo: “E se houvesse uma “vacina” para os problemas de comportamento?”

Publico_Porto-20150512

Por falar em animais, há animais, em fábulas, filmes e anúncios, com efeito mais humano do que os humanos. Este anúncio brasileiro alonga-se (3:51) a contar a história de dois reclusos, acabados de sair da prisão, que se reintegram na sociedade graças à adoção de dois cães. Ao contrário da emoção sobressaltada, esta é tranquilamente garantida.

Marca: Pedigree. Título: First Days Out. Agência: AlmapBBDO. Direcção: Ricardo Mehedff. Brasil, Maio 2015.

Qualidade de Vida

A qualidade de vida também se mede. A Organização Mundial de Saúde (OMS) concebeu uma ferramenta para aferir a qualidade de vida das pessoas: o WHOQOL, um questionário com várias escalas num total de 100 itens (pdf da versão portuguesa ). Trata-se de uma ferramenta robusta, validada, com várias versões, utilizada em diversas áreas científicas. O que é a qualidade de vida? Quais são as dimensões e os indicadores? A versão portuguesa abreviada contempla 26 itens (pdf da versão portuguesa abreviada). Uma categorização rápida, inevitavelmente arbitrária, destes 26 itens proporciona os seguintes resultados (o total ascende a 30, uma vez que quatro itens foram incluídos em duas categorias): a maioria dos itens remete para as seguintes categorias: saúde (8), capacidades várias (7) e mobilidade (2).

Qualidade de Vida_Página_1

As escalas WHOQOL suscitam alguns reparos.

À luz destes itens, o barco dos valores pós-materialistas encalhou em algum rochedo antes de arribar às escalas do WHOQOL. Responsável por pesquisas internacionais dedicadas às dinâmicas dos valores, Ronald Inglehart (1977: 1990) prevê a ascensão de valores pós-materialistas, tais como a autonomia, a participação, a realização pessoal e o prazer no trabalho, em detrimento dos valores materialistas, tais como o desafogo económico e a segurança. No WHOQOL, as dimensões “materialistas” imperam. É certo que “qualidade de vida”, sobretudo quando associada a condições de vida, não é o mesmo que “valores de vida”. Não se confundem, mas pressupõem-se e intersectam-se.

Figura 2. Pawel Kuczinski.

Figura 2. Pawel Kuczinski.

Os autores do WHOQOL fazem do indivíduo o ponto de fuga da qualidade de vida. Tudo desagua no entrevistado. Este, ou se autoavalia ou avalia o seu entorno. Mais do que egocentrismo, parece egoísmo. Atente-se no seguinte item: “Até que ponto está satisfeito com o apoio que recebe dos seus amigos?” Nunca se pergunta ao entrevistado o que faz, ou fez, de bem ou de mal, aos outros. Dar, participar e amar pode proporcionar mais felicidade do que receber, desfrutar e beneficiar. Dar é uma bem-aventurança!

Saltei da qualidade de vida para a felicidade. Mas qual é a qualidade de vida que não namora a felicidade? É verdade que a felicidade ainda não se mede. Mas não tarda. Se calhar, a tribo já está a cometer a proeza. Desde há milhares de anos, mantivemos os neurónios relativamente inalterados, mas, num ponto, evoluímos: nasceu-nos uma fita métrica na cabeça. No algoritmo promovido pela técnica e pela ciência, a felicidade é uma sub-rotina desgarrada, regada por principezinhos poetas.

Figura 3. Pawel Kuczinski.

Figura 3. Pawel Kuczinski.

Não há memória de uma montagem de padrões e protótipos de perfeição humana tão consensual, precisa e sistemática. Outrora, escalava-se o peixe e a lampreia. Agora, escala-se tudo. Da horta até à cátedra. Pitirim A. Sorokin (1956) já falava, nos anos cinquenta, em quantofrenia e testomania. O nutricionista empenha-se em registar as gramas em excesso e receita doses de sementes; o cientista dissemina as ideias na roleta indexada da excelência. Eis, em suma, a questão: ser ou não ser uma equação.

Há palavras que dizem uma sociedade. Salvação, na Idade Média; prosperidade, nos últimos séculos. Se bem me lembro, no Natal, prosperidade era a palavra mestre, repetida vezes sem conta nas mensagens dos militares da Guerra do Ultramar. Qualidade de vida ergue-se como a palavra mestre da sociedade atual. Não demora a digitalização de postais ilustrados com a seguinte mensagem: “Votos de qualidade de vida para sempre”.

Hans Surén, Der Mensch und die Sonne, edição de 1936.

Figura 4. Hans Surén, Der Mensch und die Sonne, edição de 1936.

A qualidade de vida é a nossa lebre. Corremos atrás dela como os medievais corriam atrás da salvação. Multiplicam-se os aparelhos e os dispositivos: organismos políticos, hospitais, universidades, centros de investigação, comunicação social, ONGs… O equilíbrio é, por sua vez, a disposição certa, a nova pedra filosofal. Há séculos que o equilíbrio é vital, pelo menos, no que respeita à saúde. Recorde-se o equilíbrio dos quatro humores corporais, aproximado à custa de sangrias e sanguessugas. Hoje, alcançar ou manter o equilíbrio é uma missão. E uma provação, num mundo prenhe de tentações nefastas à qualidade de vida: o tabaco, o álcool, o sofá, os fritos, as gorduras, a Coca-Cola, o açúcar, o sal, o pastel de nata e, pasme-se, o leite. Quase tudo desequilibra. Importa revisitar as estátuas gregas, os palácios renascentistas e os corpos coreografados da propaganda nazi (Figura 4). Esta fixação no equilíbrio tem pouco de pós-moderno. O barroco, o trágico e o grotesco não conseguem destronar esta aspiração clássica. Tanto equilíbrio traz-nos desequilibrados.

Figura .Pawel Kuczinski

Figura 5. Pawel Kuczinski

Mas o grande desequilibrador deste funambulismo coletivo é, naturalmente, a morte. Afastamo-la do claustro para o cemitério, do centro para a periferia, da rua para o ecrã, sempre com ela ao colo (Thomas, 1979). Entre 1960 e 2011, a esperança de vida de um português subiu de 60,7 para 76,7 anos e a esperança de vida de uma portuguesa de 66,4 para 82,6 anos. Cerca de 16 anos! Já há quem “declare morte à morte” (Alexandre, Laurent, La mort de la mort, Paris, JC Lattès Editions, 2011). Entretanto, a morte espera, dança e ri, como nos quadros de James Ensor, Otto Dix e George Grosz. “A morte agarra aqueles que lhe fogem”, terá dito Horácio. Se a qualidade de vida é a nossa luz, a morte é a nossa sombra. O equilíbrio é amigo da repetição, a vida tem limites e a perfeição, defeitos.

Referências:

Inglehart, Ronald (1977), The silent revolution. Princeton, Princeton University Press.

Inglehart, Ronald (1990), Culture shift in advanced industrial society, Princeton, Princeton University Press.

Sorokin, Pitirim A. (1956), Fads and Foibles in Modern Sociology and Related Sciences, Chicago, Henry Regnery.

Thomas, Louis-Vincent (1979), Civilisation et divagations. Mort, fantasmes, Paris, Payot.

Doenças raras

Dompé

Costumo ser céptico face à publicidade de consciencialização que se dá ares de apostolado do bem. Este anúncio da empresa farmacêutica Dompé é um caso à parte. Nem grandes causas, nem grandes públicos, nos antípodas dos exorcismos do tabaco, da droga ou do álcool, dos horrores dos acidentes rodoviários, das comiserações da exclusão social, das virtudes da contracepção ou das cruzadas para a salvação do planeta. Este anúncio alerta para uma realidade ínfima: doenças raras descuidadas, eventualmente, sem cura. Mas o anúncio é magnífico. Um hino à vida. Um corpo masculino, despojado, verdadeiro traço-de-união cósmico, relembra as potencialidades do nu masculino na comunicação estética. O anúncio despede-se de um modo notável. Estamos mais que habituados a inversões finais. Mas esta, para além de inesperada, é abrupta. Uma dobra suspensa no abismo da indiferença. “Ser um animal, e raro, é importante. Mas eu sou apenas um homem, com uma doença rara e ser raro como eu significa ser ignorado”.

Marca: Dompé. Título: The Rarest Ones. Agência: Saatchi & Saatchi Italia – Roma. Direção: Roberto Saku Cinardi. Itália, Fevereiro 2015.

O enterro do Super-Homem

superman-hd-wallpaper-and-desktop-backgroundOs super-heróis são os semideuses da actualidade. Graças a esses sobre-humanos, acontece-nos reconhecer o humano, com traços grossos e excessivos. Somos feitos deste barro. Desconfiamos do espelho e do outro, mas rendemo-nos à refracção que retoca uma humanidade desbotada. Trata-se de um desencontro que consola. Comigo funciona: a minha barriga é o peito do Super-Homem e o tabaco, a kriptonita. Mas, desenganemo-nos, os super-heróis são, afinal, caducos. Até ao próximo episódio, o Super-Homem morre ingloriamente por uma causa ilustre: revelar que até os super-heróis carecem dos serviços de uma seguradora.

Marca: Banorte. Título: Enterro de Superman. Agência: DDBO. México, 2001.