Archive | Abril 2020

O cantar do galo

Egon Schiele. Death And The Maiden. 1915-1916

O galo anda à solta e de crista levantada. Canta fora de horas, e guia as almas na última viagem. Perdi, nestes dias, quatro pessoas queridas, uma hoje. Mas o galo não se cansa. Continua a rondar. Os tempos não estão para aleluias, mas para dúvidas e epitáfios.

Vangelis. Ask the Mountains. Voices. 1995.
King Crimson. Epitaph. In The Court Of King Crimson. 1969.

Ideias há muitas

Ideias há muitas! Boas são raras, grandes, ainda mais. Para que uma boa ideia se transforme numa grande ideia, precisa ser bem projectada e bem executada. Ser criativo é mais do que ter uma ideia. O anúncio Flatten The Curve, do Ohio Department of Health, é um exemplo de uma grande ideia. Acontece com os anúncios, bem como com as dissertações.

Anunciante: Ohio Department of Health. Título: Flatten The Curve. Agência: Real Art Dayton. Estados-Unidos, Abril 2020.

A abertura do tolo

Quino. Gente en su sitio. 1986.

Quando a morte ronda, que fazer? Abater-se? Reagir? Há quem tente enganá-la (figura 1); outros nem sequer a pressentem (figura 2).

Daniel Hopfer’s ‘Death and the Devil Surprising Two Women’ (c 1500–1510)

Alguns esmeram-se a arrumar a vida, outros trespassam sem zelo. Não é fácil trocar o mundo pela eternidade. Não há preparação nem ars moriendi que nos assista.

Dança da Morte. Alemanha. Século XVI.

Talvez o tolo nos ensine. Na dança macabra (figura 3), ao contrário dos demais, só dá uma mão e a um ser humano. Parece não saber onde está nem para onde vai, o que pouco o incomoda.

Supertramp. Fool’s Overture. Even in the quietest moments. 1977. Ao vivo em 1979.
Supertramp. Crime of the century. Crime of the century. 1974. Ao vivo em 1983.

Quarentena com arte

Edward Hopper. Morning Sun. 1952

Que bueno! La idea, la selección y el montaje. “Un regalo”. Buenos vientos vienen de España . Así los días cuentan, sin salir de casa. Gracias por compartir.

Cuarentena con arte, de Friking.

O dever e o prazer

Colocar música no Tendências do Imaginário não lhe acrescenta valor. Mas gosto! Por prazer, faço disparates. A estupidez não é pecado; às vezes, é uma bênção. Colocar música não é, necessariamente, aliciante. Repetir dezenas de vezes a mesma música para escolher a melhor ligação é penitência. Mas é um tributo às músicas de grata memória. Ao valorizar um gosto, valoriza-se quem gosta. Dois princípios sobressaem na vida: o princípio do dever e o princípio do prazer. Acabei de participar numa reunião por videoconferência. Princípio do dever e da responsabilidade. Muita areia para crânios pequenos. Não me apetece analisar anúncios publicitários, obras de arte ou realidades sociais. Tão pouco me apetece vídeo conviver, colar lembretes no computador ou conceber aulas imateriais. Apetece-me pensar oblíquo e dizer disparates. Apetece-me ouvir música, música com garra. The Doors: End of the night; The end; e Riders on the storm. Prazer em águas turvas. Como sabe bem desconversar!

The Doors. End of the night. The Doors. 1967
The Doors. The End. The Doors. 1967.
The Doors. Riders on the storm. L.A. Woman. 1971.

Como peixes num aquário

Allegoria della Peste. Biccherna senese. Opera tratta da Giovanni Di Paolo, Siena, XV sec.

E para dizer simplesmente o que se aprende no meio das pragas, que existe nos homens mais coisas a admirar do que coisas a desprezar (Albert Camus. La Peste. 1947)

Ah! Se fosse um terramoto! Um bom abalo e não se falava mais… Conta-se os mortos, os vivos e pronto. Mas esta porcaria de doença! Mesmo aqueles que não a têm trazem-na no coração (Albert Camus. La Peste. 1947).

Escrevi um texto para a página Communitas, do Centro de Estudos Comunicação e Sociedade. Versa sobre vários aspectos da vida quotidiana em tempo de coronavírus. Segue a ligação: http://www.communitas.pt/ideia/nem-a-morte-nos-reune/

Tesourinhos remanescentes

Não consegui resistir. Shine on you crazy diamond foi daquelas músicas que me acertaram na emoção. Era adolescente e garantia que a estupidez era o descanso da inteligência. Pois, a inteligência aproveitou para descansar. É impressionante como a estupidez pode saber tão bem.

Pink Floyd. Comfortably Numb. The wall. 1979. Ao vivo, Hyde Park, London, 2005.
Pink Floyd. Shine on crazy diamond. Wish You Were Here. 1975. Ao vivo, Hertfordshire, U.K., 1990.

O gnomo, a gula e a ira

O anúncio tailandês The Box, da marca Voiz Cracker, é um presente criativo cheio de boa disposição. Duração longa, pouca história, repetida com variantes, interpretada por “gnomos” sósias, numa espécie de paródia da magia. Receita apropriada para a destilação de um humor insólito, que namora o pecado. Neste caso, dois pecados capitais, a gula e a ira, tudo por causa de uma bolacha.

Marca: Voiz Cracker. Título: The Box. Tailândia, 2018.

Pintar estrelas no céu

Vincent van Gogh. Self-Portrait. 1887

O coração do homem é muito parecido com o mar, tem tempestades, marés e nas profundezas também tem pérolas ” (Vincent Van Gogh, The Letters of Vincent van Gogh, 1914).

Costumo pensar que a noite é mais viva e mais rica em cores do que o dia (Van Gogh Notebook Journal Composition Blank Lined Diary Notepad, 2019).

No fundo, bem no fundo, apenas a imaginação. Nas alturas, também.

Don McLean. Vincent (Starry, Starry Night). American Pie. 1971
Don McLean. The Grave. American Pie. 1971

Leonard Cohen

Por que deverá a tristeza assobiar para o ar?

Leonard Cohen. Who by fire. New Skin for the Old Ceremony. 1974. Live in London. 2008.
Leonard Cohen. Anthem. The Future. 1992. Live in London 2008.