Archive | Outubro 2015

Fecundidade

spies-travel_do-it-for-mom

Calma, humor e inteligência. Este anúncio dinamarquês é uma delícia. A queda da taxa de fecundidade é, desde os anos 1960, um problema. Mas as mães que querem ser avós encontraram uma solução: apostar no lazer dos filhos “tão distraídos do futuro da humanidade”: viagens, calor e exercício. Com estas artes, a cegonha está a caminho. Se quer ser avó, a agência de viagens Spies Travel é uma boa opção.

Marca: Spies Travel. Título: Do it for mom (Do it for Denmark 2). Agência: Robert/Boisen & Like-Minded.  Direcção: Niels Norlov. Dinamarca, Setembro 2015.

Taxas de fecundidade na Europa

Os cães também sonham

Purina imagem

“Há muitos défices, mas talvez o mais importante neste momento seja o do sonho” (Manuel Alegre, DN, 16 de Abril de 2012).

Quatro patas aerodinâmicas e um pau. O pau é para o dono. Quanto maior melhor! Eis o sonho canino! Os cães sonham. O meu país, não sei!
Encontrei este anúncio nas catacumbas do grande arquivo electrónico. Bela fotografia, sequências magníficas, principalmente, na versão alargada (60 em vez de 30 segundos). Seleccionar HD.


Marca: Purina Pro Plan. Título: Fecht. Agência: Leo Burnet Chicago. Direcção: David Frankham. USA, 2013.

A beleza da velocidade

Luigi Russolo. Dinamysm of a car. 1912-13.

Luigi Russolo. Dinamysm of a car. 1912-13.

“Afirmamos que a magnificência do mundo enriqueceu-se de uma beleza nova: a beleza da velocidade”.
Filippo Tommaso Marinetti, Manifeste du futurisme, 1909.

A velocidade descola. Como o voo e a levitação, mas sem morcegos nem bolas de sabão. Chegar antes de partir! Estar em todo e em nenhum lugar! Fazer zapping no universo! Imóvel, com a alta velocidade da fibra óptica. Até os pixels se aceleram! O comando dispara mais rápido do que o Lucky Luke e a Internet é vertiginosa. “Todos nós sempre tivemos uma paixão pela velocidade. Ser mais rápido. Ser melhor”. A velocidade é um dos valores mais marcantes do homem moderno. O tema e a estética deste anúncio lembram, precisamente, os primeiros adoradores confessos da velocidade: os futuristas.

Marca: BT. Título: Infinity Olympics 2012. Agência: AMV. Direcção: Thomas Napper. Reino Unido, 2011.

O anjo da guarda tecnológico

WindPara a Wind, empresa italiana de telecomunicações, “as telecomunicações não são tudo”. Existe mais vida para além das máquinas! Vida palpável, real, repleta de emoções e afetos, assente em laços familiares, vicinais e de amizade. Laços desenhados no espaço (vídeo 1), laços preservados no tempo (vídeo 2). “Comunicar de verdade”, eis uma mensagem que parece não se ajustar a uma empresa de telecomunicações. Mas o mundo não é linear. Tal como os seres humanos. O anúncio aposta na multiplicidade das identidades. Os protagonistas desdobram-se. A Wind insinua-se como um anjo da guarda, tanto na alienação como na comunhão. Um companheiro de travessia.
Daqui para o Qatar, um grande abraço!

Marca: Wind Mobile. Título: Una Grande Giornata. Agência: Ogilvy & Mather Milan. Direcção: Giuseppe Capotondi. Itália, Agosto 2015.

Marca: Wind Mobile. Título: Papà. Agência: Ogilvy & Mather Milan. Direcção: Giuseppe Capotondi. Itália, Setembro 2014.

Emigrar

Emigrantes portugueses no alojamento, em França. Espaço Memória e Fronteira. Melgaço.

Emigrantes portugueses no alojamento, em França. Espaço Memória e Fronteira. Melgaço.

Não evoluo, vindimo os anos. Pasmo, como o rei Filipe II de Portugal, na sátira de Gonzalo Torrente Ballester. Basta comparar dois pequenos textos sobre a emigração, um publicado em 1991 (“Uma vida entre parênteses. Tempos e ritmos dos emigrantes portugueses em Paris”, Cadernos do Noroeste, vol. 4 (6-7), 1991, pp. 147-158) e o outro publicado este verão (“A viagem do silêncio: o salto” in Filmes do Homem 2015. Festival Internacional de Documentários de Melgaço, Ao Norte/Câmara Municipal de Melgaço, 2015, pp. 14-17). Qual rasga a realidade e qual a enrola? Segue a ligação em pdf:

A. Gonçalves. Uma vida entre Parênteses.
A. Gonçalves. A Viagem do Silêncio.

O assunto que realmente motiva este artigo é a canção Manolo Mio, da Brigada Victor Jara, grupo fundado em Coimbra, no ano de 1975. Também versa sobre a emigração. A cantar também se aprende. Lembro-me de comprar o álbum (Eito Fora, 1977) numa cooperativa (creio eu) junto à Fonte dos Leões, no Porto. Vamos ouvir!

Brigada Victor Jara. Manolo Mio. Eito Fora. 1977.

Mais do mesmo

Rafael Bordalo Pinheiro. Zé Povinho, in O António Maria. 1880.

Rafael Bordalo Pinheiro. Zé Povinho, in O António Maria. 1880.

O meu país tem uma sensibilidade estética crónica. Gosta do mesmo. Não é propenso a vanguardas, margens ou subterrâneos. O mesmo clube de futebol, na vitória e na derrota. O mesmo partido político, seja vinagre, seja vinho. Em quarenta anos de democracia, os resultados eleitorais pouco mudaram, exceptuando as legislativas de 1985, marcadas pela estreia do PRD, bolha de pouca dura. Há famílias que peregrinam todos os anos a Fátima. Cumprem o destino, a promessa e a penitência. O bolo-rei mudou de nome, mas manteve, desde o Império Romano, a fava. Ciclicamente, calha-nos a fava e emigramos em massa. Até a caricatura do povo permanece, há mais de um século, intacta: homem, rude, sofrido, com a albarda pronta para qualquer traseiro de elite. Em abono da verdade, pertenço a um povo de que os estrangeiros gostam muito.

When a blind man cries

Dmitri Shostakovich

Dmitri Shostakovich

Hoje, é Dia Mundial da Música. A Música resiste ao tempo. As imagens, também. Sem esquecer a estupidez. A música toca-nos. Ora mais, ora menos. Recordo um slow dos Deep Purple algo inhabitual: When a blind man cries (1972), Não integrou nenhum álbum, apenas a face B de um single. Ritchie Blackmore embirrou com a canção. Nem sequer ao vivo a tocavam! Sem Ricthie Blackmore, substituído, primeiro, por Joe Sartriani e, em seguida, por Steve Morse, a banda recuperou a canção. Uma das melhores interpretações ocorreu durante a Celebração de Jon Lord (falecido em 2012) no The Royal Albert Hall, em 2014 (https://www.youtube.com/watch?v=yItNkVyJ2Vg&list=RDyItNkVyJ2Vg#t=451). Vou colocar a versão original. Não há versão como a primeira! E para bem temperar, acrescento o concerto de piano nº2 de Shostakovich.

 

Deep Purple. When a blind man cries. 1972.

Dmitri Shostakovich .Piano Concerto No. 2 in F major, Op. 102: II. Andante.

Deep Purple-‘When a Blind Man Cries’-1972