Tag Archive | iluminura

O beijo da imagem

Hours of Joanna the Mad, Bruges 1486-1506.

Hours of Joanna the Mad, Bruges 1486-1506.

Lindo, o beijo da imagem.
Lindo, dois caracóis a fazer amor.

Jan Swammerdam. “De respiratione”, 1667. Pormenor da capa.

Jan Swammerdam. “De respiratione”, 1667. Pormenor da capa.

Lindo, uma mulher com treze braços a mostrar o caminho a um monge.

Fortuna. Giovanni Boccaccio, Des cas des nobles hommes et femmes. Paris ca. 1410.

Fortuna. Giovanni Boccaccio, Des cas des nobles hommes et femmes. Paris ca. 1410.

Lindo, um bando de demónios a banhar-se no rio.

Pierre Salmon, Réponses à Charles VI et Lamentation au roi sur son état, Paris ca. 1408.

Pierre Salmon, Réponses à Charles VI et Lamentation au roi sur son état, Paris ca. 1408.

Lindo, uma árvore de falos num convento.

Roman de la Rose, France 14th century.

Roman de la Rose, France 14th century.

Lindo, o heróico e minúsculo pecado.

Missale Romanum of Amiens illuminated by Pierre de Raimbaucourt”. 1323.

Missale Romanum of Amiens illuminated by Pierre de Raimbaucourt”. 1323.

Lindo, um bispo montado de costas a caminho da missa do burro.

Le livre de Lancelot du Lac & other Arthurian Romances, Northern France 13th century.

Le livre de Lancelot du Lac & other Arthurian Romances, Northern France 13th century.

Lindo, um porco a andar de bengala depois da festa do presunto.

'L'Ystoire du tres sainct Charlesmayne, empereur et confesseur', France ca. 1475-1500.

‘L’Ystoire du tres sainct Charlesmayne, empereur et confesseur’, France ca. 1475-1500.

Calemo-nos, pois! Para acolher o beijo da imagem. Calemo-nos, de preferência, em inglês, para melhor forma e maior efeito.

OVMI (Objecto Voador Mal Identificado)

À memória de Raphael Pividal

Por estranho que pareça, na Idade Média a sexualidade era mais liberta, menos inibida e menos censurada do que nos nossos dias.

“Entre a maneira de falar sobre relações sexuais representada por Erasmo e a representada aqui por Von Raumer, é visível uma curva de civilização semelhante à mostrada em mais detalhe na manifestação de outros impulsos. No processo civilizador, a sexualidade, também, é cada vez mais transferida para trás de cena da vida social e isolada em um enclave particular, a família nuclear. De maneira idêntica, as relações entre os sexos são segregadas, colocadas atrás de paredes da consciência. Uma aura de embaraço, a manifestação de um medo sociogenético, cerca essa esfera da vida. Mesmo entre adultos é referida apenas com cautela e circunlóquios” (Norbert Elias, O processo civilizador, vol. I, Rio de Janheiro, Zahard Ed., 1994, p. 180).

Decretum Gratiani with the commentary of Bartolomeo da Brescia, Italy 1340-1345.

Decretum Gratiani with the commentary of Bartolomeo da Brescia, Italy 1340-1345.

Os manuscritos e as imagens medievais evidenciam esta “curva civilizacional” ao nível do controlo e da expressão da sexualidade. As aventuras de Panurgo no Pantagruel, de François Rabelais, fornecem uma amostra. Nas iluminuras, multiplicam-se, explícitas, as cenas de sexualidade, ora realistas, ora caricatas: árvores que dão falos, coitos, exibicionismos, sodomia… Não as mostro porque estamos no século XXI e este blogue é para todas as idades. A maioria pertence a cópias do Romance da Rosa (1230-1280).  Subsiste, no entanto, uma imagem que não resisto a partilhar. Considero-a a mais extraordinária. Pintada entre 1340 e 1345, representa um objeto voador mal identificado (OVMI).

Hieronymus Bosch. As Tentações de Sto Antão.  Pormenor. 1495-1500. Lisboa.

Hieronymus Bosch. As Tentações de Sto Antão. Pormenor. 1495-1500. Lisboa.

Será um peixe voador como aqueles que Hieronymus Bosch pintou 150 anos mais tarde no tríptico de Lisboa (As Tentações de Santo Antão, entre 1495 e 1500)? Ambos transportam pessoas, mas ao OVMI, o que falta em barbatanas sobra em orelhas. Ressalve-se a existência de uma associação simbólica entre o peixe e o OVMI, por exemplo, na mitologia maia (Chevalier, Jean & Gheerbrant, Alain, Dictionnaire des Symboles, Paris, Robert Laffont, 1982).

Illustrations depicting Waldensians as witches in Le champion des dames, by Martin Le France, 1451.

Illustrations depicting Waldensians as witches in Le champion des dames, by Martin Le France, 1451.

Será o OVMI uma vassoura montada por uma bruxa? A nudez confere, mas o dispositivo voador pode ter cabo, mas não tem feixe para varrer. Ora, as bruxas eram muito ciosas das suas vassouras… Não varriam e ainda menos voavam em vassouras amputadas.

Será um pão, um cacete, como o “pão catalão” de Salvador Dali (1932)? Um pão voador? Nada de pasmar, há vários registos do fenómeno. Um restaurante em Singapura chama-se The Flying Bread. Tratar-se-ia, neste caso, de um OVMI pasteleiro surrealista.

Salvador Dali. Catalan Bread. 1932.

Salvador Dali. Catalan Bread. 1932.

O peixe, a vassoura e o pão constituem três hipóteses plausíveis. Acrescento uma quarta: o OVMI é o fruto de uma faleira que tem como propriedade levar a mulher que o colhe aos céus.

Subsistem, contudo, muitas dúvidas e algumas insuficiências metodológicas. Quer-me parecer que tamanho enigma só pode ser resolvido mediante uma investigação sistemática e aprofundada, conduzida por uma equipa interdisciplinar internacional, com acesso a alta tecnologia, apoiada por uma ou várias fundações mecenas, com publicação dos resultados numa revista estrangeira com factor de impacto.

Gatos Músicos

01 From a French Book of Hours, c. 1470.

01 From a French Book of Hours, c. 1470.

À minha gata, que tem quatro patas e um rabo.

Esfíngico, o gato é um misto de sabedoria, astúcia e mistério. A exemplo de Garfield, é um especialista em sonho e hedonismo. Mascote predilecta do poder, o gato é associado ao oculto, à bruxaria e à superstição. Maléfico, chega a ser temível  (e.g. “O Gato Preto” de Edgar Allan Poe). Do ponto de vista simbólico, o gato é complexo e ambivalente. Acrescente-se, para complicar, a figura do gato músico, tão comum e apreciada nas iluminuras medievais. Tendências do Imaginário já contemplou o burro músico (http://tendimag.com/2012/11/20/o-burro-e-a-harpa/). É  a vez do gato!

02. MELANCHOLY CAT Book of Hours, France 15th century. Beinecke, MS 662, fol. 21r

02. MELANCHOLY CAT Book of Hours, France 15th century. Beinecke, MS 662, fol. 21r.

03. Bagpipes cat book of hours, Paris ca. 1460 (NY, Morgan Library & Museum, MS M.282, fol. 133v).

03. Bagpipes cat book of hours, Paris ca. 1460 (NY, Morgan Library & Museum, MS M.282, fol. 133v).

04 From a Belgian Book of Hours, c. 1470.

04 From a Belgian Book of Hours, c. 1470.

05. 'Queen Mary Psalter', London 1310-1320 (British Library, Royal 2 B VII, fol. 194r)

05. ‘Queen Mary Psalter’, London 1310-1320 (British Library, Royal 2 B VII, fol. 194r)

06. Book of Hours, Cat beating cymbal, from a marginal cycle of images of the funeral of Renard the Fox, Walters Manuscript W.102, fol. 78v detail.

06. Book of Hours, Cat beating cymbal, from a marginal cycle of images of the funeral of Renard the Fox, Walters Manuscript W.102, fol. 78v detail.

 

Tansomania

The Geese Book

Geese Book. Nuremberga. Alemanha. Entre 1503 e 1510. Volume I – fol. 186r


Na Idade Média, sobretudo a partir do século XIII, multiplicam-se, nas margens dos manuscritos,  ilustrações alusivas a provérbios e anedotas. Lilian M. C. Randall sustenta que a maior parte destas imagens corresponde a exempla, tópicos de apoio à argumentação dos pregadores:

“Preaching in the vernacular, the Franciscans and, to an even greater extent, the Dominicans embellished their sermons with anecdotes, termed exempla. Intended to illustrate the doctrine in terms readily comprehensible to the general public, they were drawn from a host of literary sources as well as from popular tradition and contemporary events” (http://www.tepotech.com/Art_Bulletin/1957392JunRandall.pdf).

Cedendo ao anacronismo, estas iluminuras funcionariam como uma espécie de post-it da retórica e do imaginário medievais. Os livros de horas, os manuscritos de oração mais correntes, pertenciam a famílias. Destinavam-se à oração recatada. As ilustrações, mais do que exemplos, proporcionavam um deleite pessoal, associado ao prazer da imagem.

Geese Book. Nuremberga. Alemanha. Entre 1503 e 1510. Volume I – fol. 186r

O Geese Book (Nuremberga, Alemanha, 1503-510) é um livro, em dois volumes, com música litúrgica. Na figura 1, na margem inferior (Volume I – fol. 186r), um coro de gansos, dirigido por um lobo, é cobiçado por uma raposa (ver detalhe na figura 2). Este exemplo manifesta-se intemporal: os tansos, ingénuos, colocam-se entre os dentes do lobo e a boca da raposa, à mercê do poder e da astúcia. A esta propensão, passo a chamar tansomania.

Segue o cântico correspondente ao trecho com a imagem dos gansos (fol 186r):

Mass for ascension. Introitus Viri Galilei. The Geese Book. German Medieval Chant by Laszlo Dobszay, Janka Szendrei; Schola Hungarica. 2005

Estrelas medievais

As iluminuras medievais são uma floresta onde nos perdemos com prazer. O manuscrito do séc. XIX com a Aratea, de Murcus Tullius Cícero, é um bom exemplo. Inclui uma vintena de desenhos de constelações. A astronomia era, então, um assunto sério; as figuras ainda agora nos tocam, falando uma linguagem que não nos é estranha. Uma boa inspiração para um designer…

Marcus Tullius Cicero, Aratea, illustrated with 22 constellation figures containing extracts from Hyginus, Astronomica. Reims, ca 820-850, The British Library, Manuscrito Harley MS 647.

Galeria de Imagens de Salvação

Há semanas, no artigo com o vídeo Imagens de Salvação (http://tendimag.com/2013/08/23/imagens-de-salvacao/),  não anexei a respectiva galeria de imagens. Faço-o agora.

Imagens de Salvação

Carro de pombas

Um artigo com este perfil, só em férias, por vaidade e com vontade. Ano após ano, reuni centenas de imagens de livros de oração medievais. Constituem um dos principais repositórios fantásticos da humanidade. Não foi fácil seleccioná-las. Quanto às músicas, ainda foi mais complicado: calharam duas cantigas de Santa Maria, de Afonso X, o Sábio, interpretadas pelo Clemencic Consort. A meu ver, a música é a parte mais preciosa do vídeo. Sobram músicas prodigiosas por todo o mundo e em todas as épocas. Com a devida vénia à pós-modernidade, a “conquista do presente” e o umbigo globalizado têm alguma propensão para nos focar o olhar e nos empobrecer. Este vídeo não propõe nada de especial, a não ser que se veja ao espelho com outra cara.
Ao iniciar o vídeo, carregue, por favor, em HD, no canto superior direito. A qualidade compensa.

Albertino Gonçalves. Imagens de Salvação. Agosto 2012.

Músicos medievais

A música tem uma presença notável na iluminura medieval. Nas figuras 1 e 2,  músicos tocam em grupo, com uma variedade de instrumentos. As fantasias (drôleries) com animais músicos eram muito apreciadas (Figura 3). Os demónios, mestres de muitas artes, também se aplicavam a incendiar os instrumentos musicais (Figura 4). Mas quem toca bem, e dança ainda melhor, é a morte (Figura 5).

Fig 1. David e seus músicos. Arras. 1175

Fig 1. David e seus músicos. Arras. 1175

King David playing a psaltery accompanied by tuba, organ and cymbal players. From the Psalterium Beatae Elisabeth. Illuminated manuscript; 13th century.

King David playing a psaltery accompanied by tuba, organ and cymbal players. From the Psalterium Beatae Elisabeth. Illuminated manuscript; 13th century.

The Macclesfield Psalter

Fig 3.  Psaltério de Macclesfield. Animais tocando órgão. 1330.

Fig 4. Michael Pacher’s polyptych in the Wallfahrtskirche St. Wolfgang, St. Wolfgang im Salzkammergut. Completed 1481. Detail.

Fig 4. Michael Pacher’s polyptych in the Wallfahrtskirche St. Wolfgang, St. Wolfgang im Salzkammergut. Completed 1481. Detail.

Fig 5. Book of Hours, Use of Maastricht . 1º quaarto do séc. XIV.

Fig 5. Book of Hours, Use of Maastricht . Início do séc. XIV.

O Burro e a Harpa

A figura do burro que toca harpa ou lira atravessa os tempos e as fronteiras. O burro harpista aparece já, acompanhado por um touro trompetista, numa gravura com mais de 3000 anos encontrada em Samaria, no Próximo Oriente (ver figura 1).

Fig 1. Pedra gravada. Samaria. Museu do Louvre. Com mais de 3000 anos.

No início da era cristã, Fedro (14 AC- 50 DC.) escreve a seguinte fábula: uma rainha que não consegue ter filhos implora ajuda aos deuses. Acaba por dar à luz um burro. Criado e educado como um príncipe, Asinarius, assim o batizaram, adora a música e aprende a tocar lira. Um dia vê a sua imagem refletida num rio e, ao contrário de Narciso, horroriza-se. Foge para o fim do mundo, onde se apaixona por uma princesa. A fealdade é suplantada pelo brilho com que toca a lira. Casa com a princesa. E, lembrando a Bela e o Monstro, na noite de núpcias Asinarius despe a pele de burro e transforma-se num belo homem, herdando os dois reinos.

Fig 2. Petrus Comestor. Burro tocando harpa face a um caprino. Sermones. Angers, abbaye Saint Aubin. Início do séc. XIII.

A figura do burro tocador de harpa ou de lira tornou-se popular durante a Idade Média. Multiplica-se nas iluminuras (figura 2), bem como nos tímpanos (figura 3) e nos capitéis das igrejas (figura 4).

Fig 3. Église de St Pierre d’Aulnay Saintonge. 1130-1170

Mas a simbologia da imagem altera-se. O burro já não domina a arte da harpa. É, antes pelo contrário, um desajeitado, que, no tímpano da Igreja de Aulney, segura a lira ao contrário (figura 3). Já não é questão da humanidade da besta, mas da bestialidade do homem. A exemplo do burro, o homem é animal, corpo e carne. A carne é fraca, preguiçosa, pecaminosa. A música, sopro do sagrado, é espiritual. É pelo espírito, e não pela carne, que acedemos às maravilhas criadas por Deus.

Fig 4. Igreja de St Julien, Meillers. França. 1180-1248.

Às vezes, cogitar na figura do burro músico pode provocar assombrações. Tanta referência teórica, tanta estratégia metodológica, tanta ferramenta técnica… e a harpa não toca! Falta de jeito? Falta de cordas?

A ilusão: Da iluminura ao postal ilustrado

No postal publicado pela Catarina Miranda, colega de equipa de investigação, publicado no blogue Postais Ilustrados (http://postaisilustrados.blogspot.pt/, 14 de Outubro), a página do Commercio do Minho é enrugada pelos “dous rasgões irregulares” que parecem irromper da superfície do postal (ver figura).

Postal ilustrado do Commercio do Minho, circulado em 1903

Postais com relevo já circulavam no início do séc. XX. Atente-se, por exemplo, neste Mappa do Coração, postado em 1914 a bordo do navio Congo. Mas não, a ideia não era fazer um postal com relevo mas um postal que proporcionasse a sensação de uma terceira dimensão. Mais ou menos como algumas imagens medievais. Recordo três que tinha ciosamente reservadas para um texto que nunca mais acaba sobre a desgravitação (ausência ou distorção da gravidade) nas iluminuras medievais e nos media actuais.

Mappa do Coracao. Postal com relevo. Postado a bordo do navio Congo, em 1904

O livro de horas de Gian Galiazzo Visconti, duque de Milão, foi feito no final do séc. XIV por dois ilustradores: Giovannino dei Grassi e, após a sua morte, Belbello da Pavia. Está depositado na Biblioteca Nacional de Florença.  Concentrêmo-nos na seguinte página (L’eterno e gli eremiti):

Visconti Hours. L’eterno e gli eremiti. Finais séc. XIV

Parte da imagem condiz com o esquem visual a a que estamos habituados: as torres e os veados “pesam” no sentido do fundo da página. Mas o recorte com a divindade e com os demónios lembra os rasgões do postal do Commercio do Minho; em relação à superfície da página, sobressai, por um lado, o arco com os raios de fogo e afunda-se, por outro, o círculo reservado à divindade. Os insectos, por sua vez, desempenham um papel deveras curioso. A disposição, aliada à minúcia da pintura, dá a impressão que os insectos  transitam sobre a página fora da imagem. Em suma, numa parte da imagem o eixo de gravidade remete, normalmente, para o fundo de página e noutra parte o eixo de gravidade remete, deliberadamente, para a superfície da página.

Os ilustradores da Idade Média eram exímios na criação de ilusões. Algumas artes foram sucessivamente apuradas. É o caso das seguintes imagens do Da Costa Hours, um livro de horas português, concluído cerca de 1515, da autoria de  Simon Bening. Vendido a estrangeiros em finais do século XIX, destaca-se como um dos manuscritos mais preciosos da Morgan Library, de Nova Iorque.

Da Costa Hours, São Jerónimo em Penitência, ca 1515

Neste livro de horas, “São Jerónimo em penitência” é emoldurado por flores que dão a impressão de terem sido pousadas sobre a imagem. Mais complexa resulta a disposição das flores no fundo da página: nascem na imagem para logo (sobres)sair dela. Registe-se, por último, que, volvido um século, aparece, na parte inferior da página, uma abelha a assumir a função das moscas do Livro de Horas de Visconti.

Da Costa Hours. Flagelação de Cristo. Cerca 1515

Os recursos para obter um efeito de relevo abundavam na Idade Média. Na “Flagelação de Cristo”, no Livro de Horas de Da Costa, as voltas dos colares apelam a uma focagem tacteante que dificulta qualquer veleidade de achatamento da imagem. O colar vermelho, pendurado na própria moldura da cena da flagelação, parece oscilar para dentro e para fora da imagem.

O que têm os livros de horas a ver com os postais ilustrados? Muito pouco. Uns são de devoção, os outros nem por isso. Os livros de horas eram caríssimos, os postais são acessíveis. Os livros de horas eram bens familiares de luxo transmitidos ciosamente de geração em geração, facto que explica terem sobrevivido milhares de exemplares. Mas há algumas características que os aproximam. Destinam-se ao prazer do olhar, bem como à intimidade do toque. São portáteis e para uso individual, senão privado. São praticamente do mesmo tamanho. Partilham, também, alguns traços de estilo. Por último, ambos surgem em momentos excepcionais de explosão social da imagem: por volta do século XIV e finais do século XIX.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 67 outros seguidores